PROGRAMAS

Centenários

A celebração das maiores personalidades da cultura na cidade passa pelo Museu do Porto.

JAN

EUGÉNIO DE ANDRADE, A ARTE DOS VERSOS

19

Eugénio de Andrade, Porto 1964, Impressão fotográfica sobre papel, 7,1 x 9,5 cm, Museu da Cidade | Coleção Casa Eugénio de Andrade

O Museu da Cidade do Porto homenageia Eugénio de Andrade, assinalando o centenário do seu nascimento com uma exposição na Biblioteca Municipal Almeida Garrett, tendo por ponto de partida o espólio manuscrito, fotográfico e editorial cedido em 2020 ao Município do Porto.
Nascido a 19 de janeiro de 1923 no Fundão, a sua obra poética atravessa mais de cinquenta anos de atividade criadora, com tradução para inúmeras línguas e vários prémios que o consagram. Morreu a 13 de junho de 2005 no Porto, cidade que o acolheu em mais de metade da sua vida.
Com esta exposição iniciamos um amplo programa que se dedica à celebração da vida e obra do autor.

Ver mais

Um Objeto e seus discursos

Quinzenalmente, propõe ao público o contacto com lugares, obras de arte, documentos históricos ou arquiteturas do Porto, mais ou menos conhecidas. Centrado nos patrimónios do Museu e das Bibliotecas do Porto, regressa à agenda da cidade um ciclo de encontros de boas memórias.

ABR

Um Objeto e seus Discursos — Fragmento de cerâmica tipo Penha

22

Fragmento de cerâmica tipo Penha c. 3.º milénio AC. Fotografia de António Alves

Os fragmentos de cerâmica incisa metopada (também designada tipo Penha) encontrados no Arqueossítio do Lagarteiro, no interior de estruturas de combustão, parecem ter sido manuseados num contexto de negociação social e identitária. Com efeito, a cerâmica tipo Penha ocorre em distintos territórios da bacia hidrográfica do Douro e em outras regiões do noroeste peninsular, indiciando um diálogo entre as diferentes comunidades que a partilharam.

Ver mais

ABR

Um Objeto e seus Discursos — Manuscrito da Bíblia Sagrada da Livraria de Santa Cruz (N.º 1)

08

Cristo em Majestade segurando Livro, rodeado por seis anjos. Santa Cruz 4 (Detalhe), n.º Geral 23, 1139. Pigmento sobre pergaminho, f. 329. Catálogo dos Códices da Livraria de Mão do Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra. Biblioteca Pública Municipal do Porto

Para esta terceira sessão oferecemos luz sobre manuscritos bíblicos, símbolos monásticos de saber e de poder, que constam da «Coleção dos Manuscritos da Livraria de Mão de Santa Cruz de Coimbra», pertença da Biblioteca Pública Municipal do Porto.

Ver mais

MAR

Um Objeto e seus Discursos — «Degolada»: A imagem rejeitada por uma rainha

25

Degolada, 1834, Maria II. Ouro (Au), Lisboa, Portugal. Coleção Museu do Porto / Gabinete de Numismática

A Degolada é uma peça em ouro do sistema monetário em prática durante a Guerra Civil, que terminou a 23 de setembro de 1834. Cunhada em 1833, destaca-se pela raridade e ficou conhecida com este nome por apresentar no anverso a cabeça da
rainha sem busto.

Ver mais

MAR

Um Objeto e seus Discursos — Casa-Oficina António Carneiro | ESGOTADO

18

Casa-Oficina António Carneiro, 1930. Autor desconhecido. Coleção Museu do Porto / Coleção Ateliê António Carneiro

É um muito desejado levantar do véu sobre a obra de reabilitação, em fase de conclusão, da icónica casa e ateliê do pintor simbolista António Carneiro, mandada construir pelo próprio nos anos 20 do século passado. Foi ainda morada dos seus filhos Carlos Carneiro, também pintor, e Cláudio Carneiro, compositor. História e arquitetura, a cidade e as artes marcam a conversa de abertura do ciclo.

Ver mais

MAR

Tulipeiro da Virgínia

07

© Antonio Alves

O Tulipeiro da Virgínia é uma árvore classificada com uma mutação genética silenciosa, a um ritmo 2000 vezes mais lento do que no ser humano.

 

Ver mais

Cursos Breves

Um convite a aprofundar conhecimentos sobre áreas temáticas diversas, em programas estruturados que se desenvolvem todas as segundas, entre as 18H e as 20H, no Auditório da Biblioteca Municipal Almeida Garrett.

ABR

Curso Breve #15 O lugar da leitura na era digital

03

No mês em que se celebra o Dia Mundial do Livro, o professor e escritor António Carlos Cortez propõe-nos um curso breve dedicado ao livro e à leitura, à educação e à poesia, no contexto da era digital. A poesia, a literatura e os ecrãs: como combater a alienação das crianças e dos adolescentes? Como formar para o futuro? Como conquistar leitores?

Ver mais

MAR

Curso Breve #14 Nicolau Nasoni e o Porto — 250 anos da morte do ‘Arquiteto do Porto’ | ESGOTADO

06

© Acervo Museu do Porto | Coleção Casa Vitorino Ribeiro

Em 2023 cumprem-se 250 anos sobre a morte de Nicolau Nasoni, o fabuloso criador italiano que, na primeira metade do século XVIII, marcou a produção artística da região e a paisagem do Porto. O Curso Breve desenvolve-se todas as segundas de março, entre as 18H e as 20H, ao longo de 4 sessões a decorrer na Biblioteca Municipal Almeida Garrett. A terceira sessão deste curso decorrerá na Torre dos Clérigos.

Ver mais

FEV

Curso Breve #13 Eugénio de Andrade (1923—2005): breve dicionário poético

06

Eugénio de Andrade, s.d., Museu da Cidade | Coleção Casa Eugénio de Andrade

A larga difusão da poesia de Eugénio de Andrade e a sua incontroversa qualidade fizeram dele um clássico dos nossos dias. Este curso é uma breve viagem pela sua obra poética (com eventuais incursões na prosa). Nele estarão em foco os temas essenciais da poesia eugeniana: o amor, o erotismo, a natureza, o tempo. A partir deles tentaremos elaborar um «breve dicionário», como ferramenta de leitura que permita introduzir os participantes no mundo imaginário do autor de As Mãos e os Frutos. O Curso Breve desenvolve-se todas as segundas de fevereiro entre as 18H e as 20H ao longo de 4 sessões.

Ver mais

JAN

Curso Breve #12 Leitura dos Lusíadas em quatro episódios

09

Gravura de "Os Lusíadas, poema épico de Luís de Camões" (pormenor). Paris, 1817 (BPMP RES-XIX-C-54)

Leitura partilhada d’Os Lusíadas, nos 450 anos da publicação da epopeia (1572-2022), explorando temas centrais da inventiva poética de Luís de Camões: a mitologia grega e romana em auxílio dos portugueses, a crítica política da expansão, a exaltação lírica do amor contra a cobiça, a ciência do mundo e a ilusão das profecias. O Curso Breve desenvolve-se todas as segundas de janeiro entre as 18H e as 20H ao longo de 4 sessões.

Ver mais

NOV

Curso Breve #11 Kafka: um autor sempre atual

07

Neste Curso Breve iremos ver diferentes interpretações de textos da autoria de Kafka, tendo em conta não só os contextos históricos e biográficos do próprio autor, também através do seu Diário e das suas cartas, mas também as diferentes condições da receção. Para além da apresentação do escritor e da sua obra, iremos focar a nossa atenção em pequenos textos. O Curso Breve desenvolve-se todas as segundas de novembro entre as 18H e as 20H ao longo de 4 sessões.

Ver mais

OUT

Curso Breve #10 Jaime Ramos, um detetive do Porto

03

Jaime Ramos por André Kosasih

Este Curso Breve procurará fazer a história sentimental de Jaime Ramos como detetive do Porto, numa analogia permanente com a literatura do género (o romance policial) e a ideia de que não existe literatura policial. Uma das sessões será apresentada pelo poeta e médico João Luís Barreto Guimarães.  O Curso Breve desenvolve-se todas as segundas de outubro entre as 18H e as 20H ao longo de 4 sessões.

Ver mais

JUN

Curso Breve #9 Arquitecturas do Porto – Tipologias

06

Fotografia de Sérgio Rolando

Panorâmica sobre algumas das tipologias arquitectónicas que mais se evidenciam no tecido urbano de qualquer cidade. Pretende-se apresentar, de uma forma clara, vários exemplos de todas as tipologias arquitectónicas enquadradas neste Curso Breve, recorrendo a informação iconográfica importante para o seu entendimento, destacando um exemplo de forma mais aprofundada e vários exemplos de construções que desapareceram pela acção do tempo ou do Homem.

O Curso Breve desenvolve-se todas as segundas de junho entre as 18H e as 20H ao longo de 4 sessões.

Ver mais

MAI

Curso Breve #8 COMPREENDER A TERRA A PARTIR DELA

09

João Cutileiro, fotografia de Helmut Wohl

Este curso breve percorre um conjunto de acessos ao que hoje chamamos a Terra, descrita ao longo do tempo segundo perspectivas muito diversas. O nosso périplo irá das representações pré-históricas e antigas até às mais contemporâneas, sem excessiva preocupação cronológica. Falaremos de geomorfologias e geopoéticas, interrogaremos os geomitemas e os geofilosofemas. Serão convocadas visões imaginárias, artísticas e filosóficas do Mundo, não deixando de lado alguns dos contributos que as ciências, e as ciências da Terra em particular, nos trazem.

O Curso Breve desenvolve-se todas as segundas de maio entre as 18H e as 20H ao longo de 4 sessões.

Ver mais

FEV

#7 Raiz Fasciculada

21

Inauguraçãoda exposição Raiz Fasciculada © João Pereira

Botânica e ecologia, pintura de género, contos populares, música, cinema, são alguns dos temas do universo da coleção Raiz Fasciculada. Este curso alarga-se a 8 singulares sessões orientadas por alguns dos seus autores, e cujo processo de trabalho está também em exposição no Gabinete Gráfico.

Ver mais

NOV

#6 Corpo e pensamento contemporâneo – dez temas

27

© Os Espacialistas

Neste curso breve concentrado em duas tardes de sábado e domingo, propomos constituir um grupo de trabalho para reflexão em torno de dez grandes temas que percorrem o corpo e o pensamento contemporâneo. Tomando como base o livro Atlas do corpo e da imaginação (edição Relógio d’Água), que atravessa a literatura, e passa pelas artes e a imagem, o escritor Gonçalo M. Tavares parte de textos e metáforas de outros autores e artistas para nos convidar a cruzar e a debruçar sobre o labirinto do mundo.

Ver mais

NOV

#5 As 4 idades da Filosofia

08

© Porto.

Pretende-se com este curso expor, em termos rigorosos mas acessíveis a não-iniciados, as diferentes concepções fundamentais do pensamento características das 4 idades históricas da filosofia, da antiguidade ao presente. Trata-se, portanto, de sobrevoar a história da filosofia, tendo por perspectiva analítica as principais imagens aí suscitadas do próprio filosofar ou, por outras palavras, as principais respostas à questão axial; O que é pensar?

O Curso Breve desenvolve-se todas as segundas de novembro entre as 18H e as 20H ao longo de 4 sessões.

Ver mais

JUN

#4 Júlio Dinis: Germinações e Disseminações Românticas

07

“O Freixo perto do Porto” Joseph James Forrester.1835. Litografia 38,10 x 40,20 cm. Coleção Museu da Cidade – Extensão do Romantismo

O curso breve antecipa e prepara terreno para a programação desenvolvida em torno das facetas do autor homenageado da Feira do Livro do Porto 2021. Ao longo das quatro sessões lança-se um convite à leitura contextualizada, capaz de alargar os horizontes interpretativos, num modelo de fruição da sua escrita, lentamente saboreado, estimulando a infinita capacidade de significação do romance do séc. XIX.

O Curso Breve desenvolve-se todas as segundas de junho entre as 18H e as 20H ao longo de 4 sessões.

Ver mais

MAI

#3 Materiais Inflamáveis: Culturas de Resistência, Média Alternativos e Fanzines no Porto (1982—2021)

03

Capa e Contracapa do fanzine n.º 2 Cadáver Esquisito de 1986. Arquivo KISMIF.

Neste curso procura-se dilucidar um conjunto de movimentos e experimentações artísticas emergentes nessa década e na cidade do Porto. Um dos melhores exemplos de experimentação artística, musical e juvenil – baseado num ethos do-it-yourself – foram os fanzines, as publicações independentes e as rádios-pirata: sujeitos e objetos de incidência ao longo destas sessões.

 

O Curso Breve desenvolve-se todas as segundas de maio entre as 18H e as 20H ao longo de 5 sessões.

Ver mais

ABR

#2 Experiência quotidiana e práticas políticas entre as classes populares do Porto (1945-1974)

08

Foto de Astragildo Gonçalves, 1960. Arquivo Histórico Municipal do Porto, [F-NP/CMP/04/01923]

Integrado no âmbito do programa paralelo da exposição PCP 100 anos , o curso aborda as transformações sociais ocorridas na cidade do Porto após a II Guerra Mundial, infiltrando-se nos aspetos infinitesimais da existência das classes populares. Num contexto histórico de mudanças nos espaços industriais, habitacionais e nas rotinas de sociabilidade que ficaram inscritas nas trajetórias individuais e coletivas, sonda-se ainda a emergência da ação de protesto e os indícios largados pelos atos e as palavras de protagonistas que se afastam da imagem estereotipada das “grandes figuras” da política.

Ver mais

MAR

#1 100 anos de PCP

02

Bandeira Vermelha (1925–1926), BPMP, Cota: IX-2-101(4).

No âmbito das comemorações do centenário do Partido Comunista Português, o Curso Breve, orientado por José Manuel Lopes Cordeiro, propõe uma abordagem histórica da atuação da mais antiga formação política em atividade em Portugal, desde a fundação à atualidade.

 

+ info e inscrições: bmp@cm-porto.pt Ver mais

Conversas

Reflexão, diálogo, debate. Diferentes perspetivas em torno de temas da sociedade, da cultura e da cidade.

ABR

Sete Pecados à Tardinha — Luxúria

26

O ciclo de conversas Sete Pecados à Tardinha, nascido da vontade de criar um espaço de discussão multidisciplinar e informal em torno do conceito de “pecado”, pretende explorar as suas dimensões simbólicas, históricas, religiosas, culturais, científicas e sociais.

Ver mais

ABR

Conversa do Centenário | A Arte dos Versos, Política e Resistência

21

© Sérgio Rolando

O ciclo Conversa do Centenário possibilita o encontro entre amantes e estudiosos de Eugénio de Andrade, no contexto das comemorações do centenário do nascimento do poeta. Partindo da conceção expositiva A Arte dos Versos, nestes três breves instantes sobrevoamos, durante uma hora, aspetos da vida e obra do autor, numa constelação de diálogos duplos com moderadores dedicados a cada sessão.

Ver mais

ABR

Resgate #16 — Carlos Alberto no Porto: ecos de um silêncio impossível

20

A 19 de abril de 1849, o Porto emociona-se ao receber o exílio de um rei que acabara de perder a sua cruzada pela independência italiana. Para o Porto veio apenas como Conde de Barge, quase sozinho, e despojado de qualquer pompa. A única exigência que fez à cidade foi a de recolhimento, mas os testemunhos da sua passagem ecoam até os dias de hoje.

Ver mais

MAR

Conversa do Centenário | A Arte dos Versos e o Porto das Artes

30

© Sérgio Rolando

O ciclo Conversa do Centenário possibilita o encontro entre amantes e estudiosos de Eugénio de Andrade, no contexto das comemorações do centenário do nascimento do poeta. Partindo da conceção expositiva A Arte dos Versos, nestes três breves instantes sobrevoamos, durante uma hora, aspetos da vida e obra do autor, numa constelação de diálogos duplos com moderadores dedicados a cada sessão.

Ver mais

MAR

Sete Pecados à Tardinha — Avareza

29

O ciclo de conversas Sete Pecados à Tardinha, nascido da vontade de criar um espaço de discussão multidisciplinar e informal em torno do conceito de “pecado”, pretende explorar as suas dimensões simbólicas, históricas, religiosas, culturais, científicas e sociais.

Ver mais

MAR

Resgate #15 — Casas de Roda no Porto

16

Casa da Roda do Porto - Desenho de Joaquim Vilanova - c.1835 (AHMP)

Há muito tempo, para evitar o abandono em locais ermos das localidades, foi publicado em decreto régio que todos os municípios tivessem uma casa de roda para as crianças enjeitadas.
O Porto também a teve, em diferentes locais ao longo dos tempos, contudo, também outras rodas giraram para deixarem estas meninas e meninos inscritos no Rol dos Enjeitados.

Ver mais

MAR

Arqueologia no Douro: da Foz ao Cristelo

10

Pormenor do “Plano Tipographico da Cidade do Porto impresso em Londres em 1813"

Na «Geografia» de Estrabão, obra redigida no séc. I, o Douro é descrito como um importante rio da Hispânia, em parte navegável, de onde se extraíam “pepitas de ouro”. Vamos embarcar numa pequena viagem, barra adentro até à curva junto a Massarelos, observando o que a Arqueologia tem vindo a revelar sobre a relação milenar que as populações da margem norte foram criando com o impetuoso Durius.

Ver mais

FEV

Conversa do Centenário | A Arte dos Versos e as Artes da Imagem

24

© Sérgio Rolando

O ciclo Conversa do Centenário possibilita o encontro entre amantes e estudiosos de Eugénio de Andrade, no contexto das comemorações do centenário do nascimento do poeta. Partindo da conceção expositiva A Arte dos Versos, nestes três breves instantes sobrevoamos, durante uma hora, aspetos da vida e obra do autor, numa constelação de diálogos duplos com moderadores dedicados a cada sessão.

Ver mais

FEV

Sete Pecados à Tardinha — Inveja

22

O ciclo de conversas Sete Pecados à Tardinha, nascido da vontade de criar um espaço de discussão multidisciplinar e informal em torno do conceito de “pecado”, pretende explorar as suas dimensões simbólicas, históricas, religiosas, culturais, científicas e sociais.

Ver mais

FEV

Resgate #14 — Um breve calendário através da toponímia

16

"Pirolito" (?): Santo António mudando o nome da rua 31 de janeiro para rua de Santo António, [193?] – [193?], AHMP

São cerca de duas dezenas as referências a datas na Toponímia do Porto. Nesta sessão vamos conhecer um “calendário” composto por lugares, (re)lembrar onde se encontram, que outros nomes tiveram e os acontecimentos que cada um deles evoca.

Ver mais

FEV

Sonda #14 — Variações de Eugénio

09

"A Arte dos Versos". Eugénio de Andrade; datiloscrito, 1991. Publicado em Rente ao Dizer, 1992. Biblioteca Pública Municipal do Porto. Papéis de Eugénio de Andrade.

O professor Arnaldo Saraiva, entre mil outros altíssimos atributos, é um experto na obra de Eugénio de Andrade. Neste encontro vai dar-nos a ver, ouvir e a entender, em maior profundidade, esse pendor rigoroso do poeta que o levava a mil variações, correções, emendas de um poema. Esse mergulho será feito sobre o poema “Capricho”, presente na exposição “A Arte dos Versos”, a partir das suas quase duas dezenas de versões.

Ver mais

JAN

Resgate #13 — O Museu Romântico do Porto: uma viagem através dos seus 50 anos

19

Salão de Baile do Museu Romântico da Quinta da Macieirinha — Porto, 1972

Na Quinta da Macieirinha, lugar da ilustre casa de Entre-Quintas onde residiu o Rei Carlos Alberto da Sardenha, inaugurou-se a 28 de julho de 1972 o Museu Romântico do Porto. Nestes seus 50 anos de existência, diversas foram as mudanças operadas no espaço, pelo que convidamos a uma análise dos diferentes roteiros que foram implementados ao longo do tempo, representativos simultaneamente da mudança, da evolução, e da persistência.

Ver mais

JAN

Sonda #13 — A Modernidade de Aurélia de Souza vista à lupa

12

A mais talentosa e bem preparada artista feminina do seu tempo continua a maravilhar-nos com a expressividade e modernidade que imprime às suas composições. A revelação de uma obra, não só pela imagem que representa, mas também pela forma como a artista se apropria e incorpora os materiais de que dispõe, é outro lado fascinante e nem sempre ao alcance do olho humano. Para isso, partimos à (re)descoberta de algumas das obras da coleção Casa Marta Ortigão Sampaio.

Ver mais

DEZ

Sonda #12 — Em torno do achado de uma moeda de D. João II

15

Justo, 1490-1495. Ouro (Au), João II, Lisboa ou Porto (?), Portugal

A pretexto do aparecimento de um Justo (600 Reais) de D. João II (1481-95) nas escavações arqueológicas efetuadas na Casa do Infante, conta-se um pouco da história desta nova moeda de ouro, cunhada a partir de junho de 1485, nas casas da moeda de Lisboa e Porto. Apesar de, recentemente, a autenticidade de o único Justo produzido no Porto ter sido colocada em dúvida, são apresentados dados de fontes escritas e de afinidades técnicas e estilística entre o exemplar em apreço e moedas de prata do Porto, contemporâneas, que contrariam tal proposta. Tratando-se o Justo de uma das moedas mais raras de numária portuguesa, revela-se uma estimativa do total de moedas cunhadas e uma proposta de ordenação cronológica das diferentes emissões realizadas até ao final do reinado do “Príncipe Perfeito”. O fabrico destas valiosas moedas, segundo Maria José Pimento Ferro, marca o início do período de “esplendor monetário português”.
A esta pequena conversa seguir-se-á uma observação do Justo apresentado na exposição Do Medalheiro Allen ao Gabinete de Numismática, bem como de outros núcleos presentes nesta mostra que se relacionam com alguns acontecimentos importantes da História da cidade do Porto.

Ver mais

DEZ

Resgate #12 — Este ano, a fava ‘calhou-me’ a mim!

15

Sem perder de vista as palavras de José Tolentino de Mendonça, seria triste constatar que a nossa mesa de Natal foi afinal uma oportunidade perdida, porque a abundância dos alimentos acabou por agravar a fome de afeto e de sentido que trazemos, todo o ano, connosco, o desafio deste resgate é olhar o Natal através da(s) Ceia(s) de Consoada retratadas pela literatura portuguesa. Numa doce viagem, recuaremos ao tempo em que o bolo-rei ganhou lugar à mesa em Portugal e, em particular, no Porto.

Ver mais

DEZ

DIÁLOGOS ÍMPARES #19 — Museu de cidade hoje: interrogações e algumas convicções

14

Reservatório ⓒ António Alves

Pretendemos com esta apresentação estabelecer um ponto de partida para uma conversa em torno da tipologia de museu de cidade e dos seus principais desafios na atualidade. Ao longo das últimas décadas, e mais intensamente a partir do início deste século, temos assistido a mudanças sistémicas surpreendentes em museus dedicados à história e à contemporaneidade de cidades em diversos pontos do globo, movimento que acompanha o próprio processo de transformação rápida dos centros urbanos. Daremos destaque a questões relacionadas com conceitos, missões e objetivos, posicionamentos e tentativas de definição desta nova geração de museus de cidade, incluindo algumas interrogações e convicções.

Ver mais

DEZ

DIÁLOGOS ÍMPARES #18 — As três paisagens

07

Joseph James Forrester, 1835. Litografia, 27,50 x 38,20 cm. Coleção Museu da Cidade – Extensão do Romantismo

A paisagem no quadro da cultura ocidental, entre valorização, desvalorização e revalorização. Paisagem como género, função de ativismo e opção museográfica e patrimonial.

Ver mais

NOV

DIÁLOGOS ÍMPARES #17 — Anacronismo, Contemporaneidade, Inatualidade: o tempo da arte

30

Vista da exposição “Metamorfoses, Imanência Vegetal, Mineral e Animal no Espaço Doméstico Romântico”; Extensão do Romantismo. © António Alves

Nesta época de uma arte que, nas suas correntes predominantes, se afirma como «contemporânea» e por conseguinte em correlação privilegiada com  o seu (e o nosso) tempo, esta Conversa propõe-se, como crítica explícita dessa auto-imagem «pós-moderna» da criação artística, interrogar o tempo da arte. Faz-se arte para o «seu» tempo? Ou, pelo contrário, o «seu» tempo é aquele para o qual a genuína arte não se faz, nunca se fez? Não será toda a arte, pela sua «origem» ontológica sempre repetida em cada nova criação, essencialmente inactual, anacrónica?

Ver mais

NOV

DIÁLOGOS ÍMPARES #16 — Colecionadores, naturalistas e os Museus de História Natural

23

Vista da exposição “Metamorfoses, Imanência Vegetal, Mineral e Animal no Espaço Doméstico Romântico”; Extensão do Romantismo. © Rita Roque

No passado, colecionar insetos era um passatempo que servia muitas vezes como ponto de partida para uma atividade naturalista que levava ao estudo da fauna de uma região ou país e culminava na publicação dos resultados dessa pesquisa. Nesta sessão apresentam-se algumas das coleções entomológicas do Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto, elaboradas por colecionadores e naturalistas amadores, que dão o mote para uma conversa sobre a contribuição científica gerada pelos colecionadores e pelas suas coleções.

Ver mais

NOV

Resgate #11 — O Teatro Sá da Bandeira: um século de palco

17

A nova sala do Teatro Príncipe Real do Porto, [1909] – [1909], Arquivo Histórico Municipal do Porto Cota: F-NV/FG-M/11/187

Desde a sua origem que o Teatro Sá da Bandeira tem sido um dos palcos mais marcantes da atividade artística da cidade do Porto. Assim, são convidados a entrar e a descobrir as múltiplas roupagens com que se vestiu esta sala de espetáculos, ao longo de mais de um século de atividade.

Ver mais

NOV

DIÁLOGOS ÍMPARES #15 — A Imaginação Melodramática e o Cinema

16

Sala "Animais como Retratos de Príncipes", montagem "Metamorfoses", Extensão do Romantismo, ilustração de Daniel Silvestre

Quando Peter Brooks deu sinal das transformações no teatro do século XIX, ele chamou a essa mudança a invenção da imaginação melodramática. Muito dos estudos de cinema fundam a estrutura narrativa clássica nessa imaginação, que teve o seu pico no melodrama familiar americano, nos anos 1940 e 50. Dialogando com expressões do romantismo expostas na Extensão do Romantismo do Museu da Cidade, Daniel Ribas procurará revelar as formas como o cinema também participa dessas expressões.

Ver mais

NOV

Sonda #11 A obra pictórica de António Carneiro

10

"A Vida" (1901) de António Carneiro

Durante os últimos 6 meses, o Município do Porto desenvolveu um projeto de investigação em colaboração com o CITAR – Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes, Laboratório HERCULES e Laboratório José de Figueiredo, durante o qual teve acesso à unidade laboratorial móvel PT_MOLAB da infraestrutura E-RIHS. Realizaram-se análises laboratoriais que permitiram caracterizar a obra pictórica do pintor António Carneiro ao nível material e técnico. Nesta Sonda, Carolina Barata irá conduzir os participantes por algumas obras do autor, elencando as questões levantadas e os métodos selecionados para lhes dar resposta.

Ver mais

NOV

DIÁLOGOS ÍMPARES #14 — O Recital de Música

09

O recital de música, tal como é entendido atualmente, um concerto de um único artista num instrumento dedicado a um único género, tem a sua origem mais essencial na atuação do compositor Franz Liszt (1811-1886). e, ao longo do Romantismo, a figura do intérprete passou a competir com a do compositor, foi ele o maior responsável por elevar a condição social da sua profissão, após a influência de Beethoven, impondo costumes de forma sem precedentes aos seus pares, tornando empolgante e perdurável esta prática cultural. Já no século 21, os recitais/concertos de laptops apelam positivamente para o mesmo impacto na relação entre a música e a tecnologia.

Ver mais

NOV

DIÁLOGOS ÍMPARES #13 — Arqueologia da Cerâmica Portuense

02

Vista da exposição “Metamorfoses, Imanência Vegetal, Mineral e Animal no Espaço Doméstico Romântico”; Extensão do Romantismo. © Vasco Célio/STILLS

Nas épocas Moderna e Contemporânea, estabeleceu-se um importante centro produtor cerâmico nas duas localidades do curso terminal do Douro – Porto e Vila Nova de Gaia, especialmente reconhecido pela obra de “loiça fina” ou faiança. Louças, azulejos, ornamentos para arquitetura e jardim, telhas de beiral, entre outros produtos, foram amplamente produzidos e comercializados no mercado nacional e além-fronteiras, encontrando-se hoje representados em muitas coleções públicas e privadas, nacionais e estrangeiras.
A proximidade entre as cerca de quarenta unidades que aqui laboraram nos séculos XVIII e XX criou uma identidade comum no fabrico de ambas as margens, sendo difícil distinguir as produções, sobretudo nos exemplares sem marca. Nas últimas décadas, fruto das intensas operações urbanísticas, alguns dos espaços ocupados por esta indústria têm vindo a ser objeto de trabalhos arqueológicos, proporcionando novos olhares e contributos para o estudo da “cerâmica portuense”.

Ver mais

OUT

DIÁLOGOS ÍMPARES #12 — A vida dos objetos: falando de coisas e seu contexto

26

Vista da exposição Metamorfoses, Imanência Vegetal, Mineral e Animal no Espaço Doméstico Romântico; Extensão do Romantismo. © Vasco Célio/STILLS

As coleções expostas na Extensão do Romantismo, na sua extraordinária diversidade, revelam ou sugerem, na sua materialidade, funções e significados a diferentes escalas temporais, correspondentes a múltiplos contextos sociais, usos, reuso e descartes. Como é que um objeto chega a um museu? O arqueólogo António Manuel Silva aprofundará diversas leituras neste Diálogos Ímpares com moderação de Joana Alves-Ferreira.

Ver mais

OUT

Resgate #10 — "Eu que servi a Rainha de Inglaterra"

20

Visita da Rainha Isabel II e Duque de Edimburgo ao Porto: cortejo real na Avenida dos Aliados; 1985. Arquivo Histórico Municipal do Porto. Cota: F-C/CMP/10/89(2)

Nesta sessão será evocada a visita oficial da Rainha Isabel II e do Duque de Edimburgo ao Porto, em 29 de março de 1985, sendo revelados detalhes do programa e participantes, destacando a cerimónia nos Paços do Concelho, o almoço na Casa do Infante e a exposição Os ingleses e o Porto no Palácio da Bolsa.

Ver mais

OUT

DIÁLOGOS ÍMPARES #11 — Jardins privados

19

Sparrmannia africana

Contemplação, prazer e deslumbramento. Refúgio do ser humano no regresso à raiz natural do tempo que perpassa as estações climáticas. Esculpir o território com a terra e a pedra, com as plantas, os sons das águas e dos pássaros, e revelar panorâmicas dos horizontes paisagísticos. Os jardins privados do Porto são memórias históricas notáveis, quase esquecidos na absorvente tentação do crescimento urbano, intrinsecamente ligados ao espaço arquitetónico da casa como manifestação dos modos de habitar e socializar das famílias mais abastadas, e são um espelho esférico das viagens e dos olhares sobre o mundo botânico.

Ver mais

OUT

Sonda #10 O Arquivo de Duarte Belo

13

© Duarte Belo

Sondar um Arquivo Virtual, percorrer caminhos, organizações, estruturas. Perder-se no rizoma de imagens e descobrir relações e contrapontos. Nesta Sonda, Duarte Belo apresenta o seu arquivo fotográfico e leva-nos a viajar pelas inúmeras possibilidades que este oferece. Ver mais

OUT

DIÁLOGOS ÍMPARES #10 - A nova definição de Museu

12

Vista da exposição Metamorfoses, Imanência Vegetal, Mineral e Animal no Espaço Doméstico Romântico; Extensão do Romantismo. © Vasco Célio/STILLS

O ICOM (International Council of Museums) aprovou uma nova definição de Museu na sua última Assembleia Geral realizada em Praga, a 24 de agosto de 2022. Quais os novos caminhos traçados por esta definição? Como corresponder aos objetivos assumidos pela comunidade museológica internacional? Como podem os profissionais de museus e os museus portugueses participar?

Ver mais

SET

Resgate #9 As avenidas do Brasil e de Montevideu: memória e identidade patrimonial

15

Foz – Avenida de Carreiros. [1900]

Nesta sessão pretende-se dar a conhecer a importância da abertura destas artérias para ligação da Foz do Douro a Matosinhos, bem como do património envolvente à frente marítima do Porto.

Ver mais

SET

CONVERSA — A Tempestade

14

Conversa com o artista André Cepeda sobre o filme desenvolvido para a exposição Percorrer o Tempo. Visões Contemporâneas do Caminho.

Ver mais

SET

Sonda #9 Escavações Arqueológicas na Casa do Infante

08

Mosaicos romanos da Casa do Infante

As escavações arqueológicas realizadas nos anos 90 do século XX na Casa do Infante revelaram elementos caracterizadores de um passado mais longínquo, nomeadamente a existência de um edifício do século IV d.C., até então desconhecido. Esse processo deu origem à criação de um museu na Casa do Infante, processo esse que Manuel Luís Real partilhará connosco nesta Sonda.

Ver mais

AGO

Resgate #8 Azulejos no Porto: Jorge Colaço

18

Igreja de Santo Ildefonso [195?]. Fotografia da autoria de Teófilo Rego [AHMP - F-P/CMP/10/463].

Jorge Colaço notabilizou-se na área da azulejaria e é reconhecido pelas suas capacidades inovadoras nos processos e técnicas de produção. Dois dos seus trabalhos mais célebres encontram-se na invicta – os revestimentos azulejares da Estação de São Bento e da Igreja de Santo Ildefonso. Mas o artista tem ainda mais dois trabalhos na cidade do Porto – na Igreja de Santo António dos Congregados e na Capela de Nossa Senhora da Boa Hora de Fradelos. Neste Resgate serão abordados aspetos históricos, simbólicos e iconográficos destes conjuntos, nunca esquecendo a importância da arte do azulejo na difusão de doutrinas e ensinamentos.

Ver mais

JUL

Padroeiros e outros santos

21

São Vicente, mártir: venera-se na Igreja de São Nicolau da cidade do Porto [18??]

No Porto festeja-se o São João, no entanto, o padroeiro, ou padroeira da cidade é a Nossa Senhora da Vandoma. Mas só desde o século XX. Nesta sessão dão-se a conhecer histórias sobre os padroeiros e outros santos da cidade

Ver mais

JUL

Sonda #8 Leixões: espaço temporal

14

Planta do Porto de Leixões, indicando a tinta carmim, as avarias causadas nos molhes pelos temporais de janeiro e fevereiro de 1912. (Arquivo APDL; Imagem Museu da Cidade)

Quando as violentas tempestades de Janeiro e Fevereiro de 1912 destruíram parte dos molhes, Leixões era só um porto de abrigo para os barcos que esperavam travessia segura da Barra do Douro. A partir deste episódio, falaremos das mudanças da condição urbana produzidas pela passagem da função portuária para fora dos limites da cidade canónica.

Ver mais

JUL

DIÁLOGOS ÍMPARES #9 - Rafael Bordalo Pinheiro – A Natureza dentro de casa

13

Bordalo Pinheiro Jarra, Século XX Faiança vidrada, 28 x 10 x 24 cm. Acervo Museu da Cidade - Casa Marta Ortigão Sampaio

Neste Diálogo Ímpar, propõe-se uma conversa sobre a forma como Bordalo Pinheiro se apropriou da Natureza e a trouxe para dentro das casas.  No final do século XIX, a casa ganhava importância para a nova burguesia como espaço de receber e ostentar o estatuto social e a presença e elementos naturais era um fator de conforto e requinte.  Rafael Bordalo Pinheiro envolve-se neste mundo Natural, tratando-o com realismo ou desconstruindo-o em caricaturas, misturando talento e humor. 

Ver mais

JUL

DIÁLOGOS ÍMPARES #8 - Murais do Silêncio

06

José Almeida Pereira, Pintura mural, 2021. Tinta acrílica. Segundo Trabalho N.º 172, Emma Kunz

A partir da proposta de representar iconográfica e trans-temporalmente o espírito romântico na pintura, foram realizados murais na Extensão do Romantismo que evocam várias(os) artistas cuja pulsão criativa advém do desejo de manifestar um invisível associado ao sublime. Interpretações deste imaginário são a oportunidade de criar pinturas onde escala, composição, técnica e gesto lançam um repto às noções de original, cópia e autenticidade. Uma procura da potência das imagens, não na sua origem, mas no seu destino.

Ver mais

JUN

Vestida de Ouro e Azul: A Igreja de Santa Clara do Porto

30

O Tripeiro – Série 2, Ano 1, nº1 (1919), P.15. Arquivo Histórico Municipal do Porto.

A igreja que se vestiu de ouro e azul entre as décadas de 30 a 50 do século XVIII esconde elementos que remontam a épocas mais recuadas. Neste Resgate, a partir da análise do templo barroco propõe-se o encontro com várias marcas do seu passado.

Ver mais

JUN

DIÁLOGOS ÍMPARES #7 - Moedas e medalhas da coleção João Allen: de uma curiosidade do Romantismo à sua atual importância histórica e patrimonial

29

Bracteata Tipo Siracusano 2.ª Idade do Ferro (post. 400-370 a.C.) Ouro 4,8 x 43 mm. Acervo Museu da Cidade. © Vasco Célio | Stills

Neste Diálogo Ímpar contextualiza-se o surgimento da coleção de João Allen na tradição do Grand Tour das elites europeias e do período do Romantismo em Portugal, que estará na origem da fundação do Museu da Cidade do Porto, em 1852. Em sequência, apresenta-se uma breve descrição da coleção numismática, com especial referência à sua dimensão de composição.
É depois tratada a importância da moeda como documento arqueológico, histórico, artístico, tecnológico e mesmo como monumento da cultura material desde o Mundo Clássico. Características que fizeram destes pequenos artefactos objetos muito desejados de coleção. Por último, far-se-á uma abordagem mais detalhada aos exemplares que integram a exposição Metamorfoses: imanência animal, vegetal e mineral no espaço doméstico romântico, conferindo-se um especial destaque à excecional bracteata de ouro fabricada na casa da moeda de Siracusa em finais do século V a. C.

Ver mais

JUN

DIÁLOGOS ÍMPARES #6 — Além do Grand Tour: Portugal exótico e pitoresco

22

Mesa de biblioteca de João Allen, Autor desconhecido, 1830. © Stills I Vasco Célio

Os estrangeiros que visitaram Portugal entre as últimas décadas do século XVIII e os finais do século XIX, e que escreveram ou registaram imagens sobre o país, foram essencialmente viajantes, artistas, escritores, poetas, diplomatas e militares.
Embora não estivesse incluído nos países habituais do Grand Tour, (França, Itália, Países Baixos e Alemanha), roteiro preferido para complemento da educação ou pelo prazer diletante de viajar, Portugal atraía os visitantes. A expectativa de encontrar algo de primitivo e exótico na paisagem monumental portuguesa configura-se como uma das principais motivações destas viagens a Portugal.

Ver mais

JUN

O carro de bois de Monchique

18

Conversa com a investigadora Teresa Soeiro sobre o achado de um carro de bois em Monchique, peça em exibição no Reservatório, e sobre as diferentes representações e memórias que este achado arqueológico evoca, dando novos significados a um objeto descartado. Trata-se de um leito (incompleto) de um veículo de tração animal com eixo móvel, encontrado na intervenção arqueológica realizada próxima da antiga margem do Douro, junto ao Convento de Monchique.

Ver mais

JUN

DIÁLOGOS ÍMPARES #5 — Liberdade para pintar

15

Pormenor "Santo António" (1902), Aurélia de Souza © António Alves

Desde meados do século XIX que os pintores passaram a dispor de inúmeros recursos, graças aos avanços da química, da mineralogia, mas também através do arrojo dos fabricantes de materiais de Belas-Artes. Novas cores enriqueceram a paleta, disponibilizadas em tubos colapsáveis dentro de caixas transportáveis; as tintas ganharam maior pastosidade e brilho; os suportes pictóricos diversificaram-se o suficiente para trazer os artistas para o exterior dos estúdios; os equipamentos e acessórios asseguraram o seu conforto. Por fim, os pintores podiam dedicar-se plenamente ao ato criativo, descomprometidos dos laboriosos trabalhos preparatórios que esta arte impunha. E de tudo isto, Aurélia de Souza foi exímia a tirar partido.

Ver mais

JUN

Trincheiras, metagramas e fardos de palha: um percurso por guias turísticos do século XX

09

Se o Lonely Planet, o Guide Blue, e o Baedeker são hoje recompilatórios de informações práticas que estão a cair em desuso, o guia como género tem uma história heterotópica, muitos destinos e uma prática inconstante. O exercício de generalizar sobre o outro requer muita imaginação e, inevitavelmente, a criação de uma série de mal-entendidos. Através dos livros presentes na exposição pitorescos e naifs: do guia turístico ao view-master explorar-se-ão algumas das vicissitudes apensas ao aconselhamento turístico.

Ver mais

JUN

DIÁLOGOS ÍMPARES #4 — O “efeito Museu”

08

Elementos expositivos "Metamorfoses”, [A] Ainda Arquitectura, 2022

Os suportes expositivos concebidos para a nova montagem do Museu da Cidade – Extensão do Romantismo, estabelecem uma continuidade entre o espaço doméstico da casa, e dispositivos museológicos de apresentação e valorização das peças da coleção, escusando a recriação de ambientes cenográficos de ‘época’, ou a abstração do cubo branco ou da caixa negra que marcaram o século anterior, num processo de diálogo entre conceito, objeto e contexto. Como se desenvolveu o processo criativo do desenho expositivo, do conceito à sua materialização? Como nos tocam as noções de tempo, de história? O que distingue desenho expositivo, interiores, arte ou Arquitectura? Que relação entre Vida e Arte, entre corpo e olhar?

Ver mais

JUN

DIÁLOGOS ÍMPARES #3 — Os Leques Japoneses

01

Leque, séc. XX. Papel e madeira. Aguarela s/ papel, 24 x 36 cm. Acervo Museu da Cidade | Coleção Casa Vitorino Ribeiro

Remontando à Antiguidade, os leques são objectos icónicos que têm acompanhado a evolução das sociedades. Se alguns historiadores situam o seu surgimento com o do homem, outros sustentam que foi no Japão o local aonde pela primeira vez foram criados. Objecto carismático por excelência na cultura japonesa, desde sempre é carregado de simbolismo e significado artístico, cultural, decorativo e religioso e acompanha a vida dos japoneses, desde o seu nascimento até à sua morte. De diferentes estilos, distinguem-se duas correntes distintas, o estilo Uchiwa, de superfície plana e rígida, e o Ogi, os leques dobráveis e, por isso, mais fáceis de transportar. Ambos reflectem a apurada estética japonesa impressa na delicadeza subtil de uma sociedade tão particular quanto insular.  

Ver mais

MAI

DIÁLOGOS ÍMPARES #2 — Gabinetes de curiosidades e museus de história natural: paralelos, divergências e futuros

25

Ilustração © Daniel Silvestre

Herdeiros das tradições, práticas e métodos colecionistas dos gabinetes de curiosidades, os gabinetes/museus de história natural representam uma considerável rutura epistemológica com os seus antecessores. Embora alguns dos seus objetos, espécimes e coleções sejam partilhados entre si, as suas funções, usos e impacto na sociedade são consideravelmente diferentes. Partindo do exemplo das coleções biológicas do Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto, traçaremos os paralelos entre estas duas singulares formas de colecionismo, daquilo que as diferencia e distancia, e qual os futuros usos e necessidades a que poderão responder.

Ver mais

MAI

Fugir da Igreja… O Registo Civil e a liberdade de consciência no último quartel do século XIX

19

Primeiro registo civil de nascimento da Administração do Bairro Ocidental do Concelho do Porto, de 8 de janeiro de 1879. Arquivo Histórico Municipal do Porto. Cota: TG-a/661 - f. 1

A partir dos primeiros livros do Registo Civil do Porto analisa-se a importância da lei do registo civil e os traços essenciais dos cidadãos que recorreram a esse serviço, verdadeiro símbolo da liberdade de consciência e da laicização do Estado.

Ver mais

MAI

DIÁLOGOS ÍMPARES #1 — Do Museu Allen ao Museu Municipal do Porto: Tensões, Contradições e Narrativas que Acompanharam a Sua Evolução

18

Interior do Museu Allen - Rua da Restauração. Foto Guedes. F-NV/FG-M/11/160. Arquivo Histórico - Casa do Infante - Museu da Cidade

Foi na cidade do Porto, no segundo quartel do séc. XIX que foi fundado em Portugal o primeiro museu a abrir as suas portas ao público. O Museu Allen, como ficou conhecido, e o seu conturbado percurso, que viria a culminar na criação do Novo Museu Portuense, de matriz municipal, protagonizou um intenso debate sobre o papel do museu público na cidade do Porto enquanto instituição reformadora e civilizadora que haveria de marcar de forma indelével a museologia portuense nos finais do século XIX e início do século XX.

 

Ver mais

MAI

A grande viagem de Carlos Alberto não foi a do exílio

12

Ms. 622 Horas. Orações & Cod. Biblioteca Pública Municipal do Porto. Fotografia de António Alves

Depois de percorrer aproximadamente dois mil quilómetros, Carlos Alberto – o rei exilado da Sardenha – chega, em 1849, ao Porto. Uma escolha de destino final de viagem que se afigura convicta para uma dura jornada, carregada pelo peso da abdicação ao trono e da derrota dos ideais liberais que deixariam por cumprir o sonho de uma unidade italiana. De saúde muito fragilizada e muito desalentado, Carlos Alberto troca a coroa real pela vida singela e de recato do que viriam a ser os últimos três meses da sua vida, acabando por morrer aos 50 anos.

Depressa se transformou numa figura do ideário Romântico portuense e a sua breve passagem pela cidade logo inspirou novas viagens evocativas em torno da sua memória. Os Caminhos do Romântico são prova disso, com o percurso dedicado a Carlos Alberto a fazer dessas deambulações novos pretextos para infindáveis viagens e revelações participadas por novos agentes que se entrecruzam numa relação corpo-espaço-histórias.

 

 

 

Ver mais

ABR

Os Ex-libris: marcas de posse

21

Ex-libris do Gabinete de História da Cidade do Porto

Os ex-libris são “documentos” que garantem um direito, e refletem as caraterísticas da personalidade do possuidor. Sendo elementos artísticos e gráficos que representam um indivíduo ou instituição permitem-nos também conhecer a arte dos seus produtores.

Ver mais

ABR

Aurélia de Sousa: entre regra e exceção

14

Aurélia de Souza "Santo António (autorretrato)", c. 1902 Óleo sobre tela 189 x 99 cm. Acervo Museu da Cidade, Coleção Casa Marta Ortigão Sampaio

A obra de Aurélia de Souza é tão singular e valiosa que nas últimas décadas tem recebido uma atenção crescente, uma redescoberta não só nacional como internacional. Mas o arrojo de Aurélia é maior do que o de ter sido uma enorme pintora: foi-o sendo mulher, artista, culta, solteira e provocadora na transição do séc. XIX para o XX, em Portugal.

Ver mais

MAR

Mouzinho da Silveira: a artéria líquida

17

© Álvaro Domingues

Neste Resgate, a partir da exposição Mouzinho: da Ribeira ao Aeroporto, a viagem também começará na abertura do arruamento, para prosseguir olhando a sua evolução ao longo de todo o século XX e XXI.

Ver mais

MAR

Lembranças para a eternidade

10

Insignias de Santiago, Séc. XVI-XVII Castelo da Foz, 1989 Azeviche.

Nesta sessão descobrimos os objetos encontrados no Castelo da Foz, associados aos enterramentos da Igreja Renascentista de São João da Foz.

Ver mais

FEV

São Pantaleão e a arca desaparecida da catedral

17

Arca relicário de São Pantaleão © BPMP

No final da Idade Média, aporta em Miragaia uma nave com as relíquias de São Panteleão da Nicodémia. Este Santo ganha importância no velho burgo e a sua veneração leva-o ao altar-mor da catedral e ao título de patrono da cidade. Uma noite, em 1841, a arca desapareceu…

Ver mais

FEV

Aquários e plantas aquáticas no Reservatório. Como assim?

10

Viveiros © Teatro do Frio

Navegando entre tempos, entre conceções diversas do natural e da ideia de vestígio, colocando em perspetiva a relação entre a dimensão Mineral – uma das privilegiadas em arqueologia – e a dimensão aquática e vegetal viva, o Teatro do Frio vai trazer-nos alguma luz sobre esta sua proposta artística e simultaneamente científica.

Ver mais

JAN

Germano Silva: o jornalista e a cidade

20

© António Alves

Este primeiro resgate parte da exposição Germano Arquivo para descobrir algumas memórias de Germano Silva.  O “escritório”  é o centro do processo de criação do jornalista que, desde há décadas, coleciona livros e documentos que contam histórias da História da Cidade.

Ver mais

JAN

Avisos à Navegação: a "bandeirinha da saúde" e a entrada na barra do Douro

13

© Porto.

Carla Stockler conversa com Amândio Barros acerca de um objeto que antigamente era içado na Rua da Bandeirinha, perto do Palácio das Sereias – a bandeirinha da saúde.

Ver mais

SET

Conversas Situadas - Poder & Poderes

12

Para a Feira da Livro no âmbito do programa de comemorações do bicentenário da Revolução Liberal do Porto.

Ver mais

SET

Conversas Situadas - Mulher & Homem

11

Para a Feira da Livro no âmbito do programa de comemorações do bicentenário da Revolução Liberal do Porto.

Ver mais

SET

Conversas Situadas - Igualdade(s) & Liberdade(s)

05

Para a Feira da Livro no âmbito do programa de comemorações do bicentenário da Revolução Liberal do Porto.

Ver mais

SET

Conversas Situadas - Súbditos & Cidadãos

04

Para a Feira da Livro no âmbito do programa de comemorações do bicentenário da Revolução Liberal do Porto.

Ver mais

AGO

Conversas Situadas - Liberdade & Censura

29

Para a Feira da Livro no âmbito do programa de comemorações do bicentenário da Revolução Liberal do Porto.

Ver mais

FEV

As ruas da cidade medieval

14

As ruas são como veias por onde passa a seiva que dá vida à cidade, um complexo sistema circulatório que alimenta a vida urbana.

Ver mais

Caminhos

Os Caminhos do Romântico convidam a descobrir o Vale de Massarelos, através de quatro percursos pedonais: Indústria, Natureza, Água e Personalidade Carlos Alberto. Mensalmente realiza-se um “Percurso Especial”, orientado por um convidado, e no qual se procura promover diferentes modos de olhar e de pensar este território na contemporaneidade. Acontecem todos os penúltimos sábados de cada mês.

ABR

Percurso Especial #4 — Jardins de outrora, que futuro?

22

Planta topográfica da cidade do Porto de Geraldo Teles Ferreira de 1892

Para esta jornada, propomo-nos – para além de explorar e contemplar a vegetação mais singular dos jardins do Palácio de Cristal, da Quinta da Macieirinha e Casa Tait – abordar, também, o tema das pragas e doenças emergentes.

Ver mais

ABR

DERIVA #16 — LUGARES DE EUGÉNIO

04

Eugénio de Andrade, Porto 1964, Impressão fotográfica sobre papel, 7,1 x 9,5 cm, Museu da Cidade | Coleção Casa Eugénio de Andrade

Visita a alguns dos lugares portuenses mais frequentados por Eugénio de Andrade entre 1950 a 1992. Fazendo um curto percurso, de alguns desses lugares, leremos em cada um deles os textos em que o Poeta os celebrou com palavras tão breves quanto belas e inesquecíveis.

Ver mais

MAR

Percurso Especial #8 — O Porto em vários sentidos

18

«O Porto, como todas as cidades europeias, tem um discurso romântico para quem o sabe ouvir». Quem o diz é Agustina Bessa-Luís, herdeira do Porto romântico de Camilo Castelo-Branco. Descubra o Porto de Agustina num percurso muito especial, dedicado ao seu centenário, em que percorreremos os Caminhos do Romântico através das palavras e memória da autora.

Ver mais

FEV

Percurso Especial #7 — Ao encontro das camélias nos Caminhos do Romântico

18

Princeza Real, Jornal de Horticultura Pratica, 1884, p.128

A cidade do Porto é nacional e internacionalmente conhecida por possuir um elevado número de cameleiras. Contudo, é ao longo dos Caminhos do Romântico e nos prolongamentos das ruas envolventes, que se regista uma maior concentração de camélias ostentando os exemplares de maior porte e com a mais ampla diversidade de cultivares, comparativamente a outras áreas da cidade. No apogeu da sua floração, e a partir da visita aos jardins da Casa Tait, serão destacados exemplares antigos, bem como os mais recentes. Prosseguiremos as nossas deambulações pela Quinta da Macieirinha, onde nos debruçaremos sobre os exemplares mais antigos da cidade, terminando o percurso nos Jardins do Palácio de Cristal, em concreto no Jardim Emílio David, renovado em 2019, com um projeto desenvolvido pela Profª. Arquiteta Teresa Portela Marques.

Ver mais

FEV

DERIVA #15 — MARCAS DE D. PEDRO IV DE PORTUGAL E I DO BRASIL NAS RUAS DO PORTO

11

Praça D. Pedro IV com monumento e Paços do Concelho; Foto Guedes, Arquivo Histórico Municipal do Porto (AHMP)

Nesta DERIVA vamos procurar traços da presença de D. Pedro pelas ruas do Porto. As marcas que encontramos serão materiais ou imateriais, existentes ou demolidas, pensadas ou inacabadas? O ponto de partida é a exposição patente nos Paços do Concelho. Passaremos pela praça que teve o nome de D. Pedro e que entretanto foi demolida; visualizaremos as plantas da avenida D. Pedro IV em projeto; destacaremos a iniciativa da construção do Jardim de S. Lázaro como homenagem às mulheres do Porto e imaginaremos representações através de fotografias que nos poderão conduzir ao poderoso legado de D. Pedro IV, o Libertador.

Ver mais

FEV

Deriva #15 — Marcas de D. Pedro IV de Portugal e I do Brasil nas ruas do Porto

07

Praça D. Pedro IV com monumento e Paços do Concelho; Foto Guedes, Arquivo Histórico Municipal do Porto (AHMP)

Nesta DERIVA vamos procurar traços da presença de D. Pedro pelas ruas do Porto. As marcas que encontramos serão materiais ou imateriais, existentes ou demolidas, pensadas ou inacabadas? O ponto de partida é a exposição patente nos Paços do Concelho. Passaremos pela praça que teve o nome de D. Pedro e que entretanto foi demolida; visualizaremos as plantas da avenida D. Pedro IV em projeto; destacaremos a iniciativa da construção do Jardim de S. Lázaro como homenagem às mulheres do Porto e imaginaremos representações através de fotografias que nos poderão conduzir ao poderoso legado de D. Pedro IV, o Libertador.

Ver mais

JAN

Percurso Especial #6 — Vestígios da Indústria nos Caminhos do Romântico

21

Arquivo Histórico Municipal do Porto – Palácio de Cristal portuense: exposição internacional portuguesa de 1865. Reprod. grav. colorida

Este percurso iniciar-se-á nos jardins do Palácio de Cristal e terminará no antigo Armazém Frigorífico do Bacalhau, em Massarelos, propondo uma revisitação dos mais significativos vestígios industriais existentes ao longo de todo aquele trajeto. Embora a indústria já aqui se tivesse implantado no início da segunda metade do séc. XVIII, será no século seguinte que a sua paisagem começará, paulatinamente, a ser preenchida com um conjunto de fábricas, oficinas, armazéns, central termoelétrica, “ilhas” e habitações económicas, num processo que se prolongará pelas primeiras décadas do séc. XX, durante as quais surgirão os edifícios do Entreposto do Peixe e Frigorífico, num estilo arquitetónico modernista, e do Armazém Frigorífico do Bacalhau, concluído em 1939, numa linguagem arquitetónica característica da época.

Ver mais

JAN

Deriva #14 — A zona da Avenida dos Combatentes: expressões da estética arquitetónica ao longo do século XX

14

Ⓒ Luís Aguiar Branco

A décima quarta DERIVA propõe a descoberta do planalto das Antas. Entre a rua de Costa Cabral e a avenida Fernão de Magalhães, este planalto assistiu no segundo quartel do século XX à concretização de um plano urbano definido por uma larga avenida e um conjunto de ruas paralelas e transversais. Rapidamente se foi urbanizando o local, sendo edificadas moradias burguesas em parcelas generosas, isoladas ou geminadas, que são reveladoras das mudanças que ocorreram na estética arquitetónica ao longo do tempo, salientando-se o último sopro tardio da arte-nova, a novidade da arte-déco e uma primeira geração de arquitetos modernos, o retrocesso histórico em revivalismos do chamado “estilo português”, e o anúncio de um segundo momento moderno a partir dos anos 50.

Ver mais

JAN

Deriva #14 — A zona da Avenida dos Combatentes: expressões da estética arquitetónica ao longo do século XX

03

Ⓒ Luís Aguiar Branco

A décima quarta DERIVA propõe a descoberta do planalto das Antas. Entre a rua de Costa Cabral e a avenida Fernão de Magalhães, este planalto assistiu no segundo quartel do século XX à concretização de um plano urbano definido por uma larga avenida e um conjunto de ruas paralelas e transversais. Rapidamente se foi urbanizando o local, sendo edificadas moradias burguesas em parcelas generosas, isoladas ou geminadas, que são reveladoras das mudanças que ocorreram na estética arquitetónica ao longo do tempo, salientando-se o último sopro tardio da arte-nova, a novidade da arte-déco e uma primeira geração de arquitetos modernos, o retrocesso histórico em revivalismos do chamado “estilo português”, e o anúncio de um segundo momento moderno a partir dos anos 50.

Ver mais

DEZ

Deriva #13 Porto: A Cidade das Águas — entre a Quinta de Vilar das Oliveiras e a Quinta de Bonjóia

10

O Porto é a “cidade das águas”. No Romantismo, estes percursos entre a cidade e o campo eram feitos nas margens de pequenos rios e ribeiras que caracterizavam a paisagem portuense em terrenos que, com a anterior expansão da cidade para poente (1836) e o traçado da Circunvalação (1899), ficariam englobados no que hoje chamamos de Porto. Estes caminhos bucólicos eram percorridos, para além daqueles que vinham de fora para trabalhar, pelas famílias burguesas de então, como nos narra o nosso expoente do Romantismo, Camilo Castelo Branco na sua extensa obra, claramente entre a literatura e a sociologia. À semana, para trabalhar e ao fim de semana para o ócio, sempre acompanhados pelas águas e pelos vários equipamentos que foram sendo construídos, como fontes, fontanários, bicas, mananciais, lavadouros e bebedouros, eram a imagem de uma paisagem muito peculiar.

Ver mais

DEZ

Deriva #12 A Via Veteris — do Palácio à Ramada Alta

06

Pormenor de escultura de madeira policromada do século XVIII, Acervo Museu da Cidade | Casa Marta Ortigão Sampaio

Seguindo uma antiga via romana, utilizada pelos peregrinos de Santiago, ligamos o Palácio de Cristal à Casa Marta Ortigão Sampaio. Pelo caminho vamos à descoberta de alguns pormenores sobre este caminho e, no final, espera-nos uma surpresa!

Ver mais

NOV

Percurso Especial #5 — Quantas escalas tem um jardim?

19

© Helena Hespanhol

Urge apreciar, sentir e experienciar o conceito de metamorfose oferecido pelos riquíssimos refúgios naturais públicos que a encosta de Massarelos nos reserva, nessa procura de conexão à natureza, como são os casos dos jardins da Extensão do Romantismo e da Casa Tait. Uma observação das diferentes escalas em que o mundo natural se organiza, preenchendo os jardins formais, os bosques de grandes árvores nativas e exóticas, os socalcos selvagens, os micromundos por domesticar. Um percurso de pequenos e grandes detalhes, para compor o mosaico de que todos somos feitos.

Ver mais

NOV

Deriva #11 A Muralha Fernandina ao longo da Ribeira

05

Deambulação ao longo da margem do rio Douro, reconhecendo o território onde foi construída a muralha gótica “Fernandina” em meados do século XIV. Durante o percurso serão apresentadas as características construtivas da muralha e os locais onde se encontravam os postigos e as portas, desde o postigo da Areia na Lada, até ao postigo da Praia, depois transformado em porta Nobre, em Miragaia.

Ver mais

OUT

Percurso Especial #4 — Jardins de outrora, que futuro?

22

Planta Topográfica da Cidade do Porto, de Geraldo Teles Ferreira, de 1892 [quadrícula 198] - AHMP

Para esta jornada propomo-nos a explorar e contemplar a vegetação mais singular dos jardins do Palácio de Cristal, da Quinta da Macieirinha e Casa Tait mas, também, aprofundar o tema das pragas e doenças emergentes. Segundo os especialistas, o aumento do comércio mundial associado às alterações climáticas, estará na base da disseminação e aumento exponencial de pragas e doenças, particularmente as registadas nas últimas décadas na Europa. Perante o panorama atual, o Concelho do Porto (integrado na Zona Demarcada de erradicação da Xylella sp.), crê que a muito curto prazo comecemos a sentir o impacto dessas ações de controlo nos espaços verdes e arvoredo, levando a uma irremediável alteração da paisagem urbana e, consequentemente, ao desequilíbrio dos ecossistemas.

Ver mais

OUT

Entre Liras e Bigornas

08

Gravura atribuida a Albrecht Dürer, in Hieroglyph, Emblem, and Renaissance Pictography, Ludwig Volkmann, Berlin 1969

Pequeno trajeto desde as fronteiras entre Bonfim e Campanhã, até ao Jardim de São Lázaro onde se encontra a Biblioteca Pública Municipal do Porto. Durante o percurso olhamos aos símbolos mudos que constituíram as forças ruidosas do séc. XIX e XX, na cidade.

Ver mais

OUT

De Azulejo em Azulejo… onde o Porto se renova

04

A azulejaria tradicional de fachada dos séculos XIX/XX servirá de tema à Deriva pela Cidade. As obras de reabilitação de edifícios revestidos a azulejo multiplicam-se, desafiam o tempo, tentam manter a génese duma imagem forte que tanto carateriza a Arquitetura Portuense. Por entre ruas sinuosas observam-se fachadas desiguais ou sobriamente repetidas com aquele azulejo original, replicado ou reinventado na sua forma, cor e matéria… é aqui onde o Porto se renova!

Ver mais

SET

Percurso Especial #3—Porto: A Cidade das Águas – entre a Quinta do Gólgota e Entre Quintas

17

© Mário Mesquita

O Porto é a “cidade das águas”. No Romantismo, os percursos entre a cidade e o campo eram feitos nas margens de pequenos rios e ribeiras que caraterizavam a paisagem portuense em terrenos que, com a anterior expansão da cidade para poente (1836) e o traçado da Circunvalação (1899), ficariam englobados no que hoje chamamos de Porto. Estes caminhos bucólicos eram percorridos, para além daqueles que vinham de fora para trabalhar, pelas famílias burguesas de então, como nos narra o nosso expoente do Romantismo, Camilo Castelo Branco na sua extensa obra, claramente entre a literatura e a sociologia. Nos dois sentidos, do centro para a periferia e desta para o coração dinâmico da cidade romântica, os burgueses e os “do povo” faziam seus, todos estes caminhos, que, felizmente hoje, se conservam e que permitem salvaguardar uma memória que tanto marcou a imagem da cidade. À semana, para trabalhar e ao fim de semana para o ócio, sempre acompanhados pelas águas e pelos vários equipamentos que foram sendo construídos, como fontes, fontanários, bicas, mananciais, lavadouros e bebedouros – a imagem de uma paisagem muito peculiar e, sem dúvida, única, numa urbe que, pela toponímia, seguramente deveria ser especial. Neste percurso pelos lugares da água, propomos um trajeto, entre o Campo Alegre e as vertentes do Palácio de Cristal.

Ver mais

SET

Entre Liras e Bigornas

06

Astragildo Gonçalves, Sino das Oficinas Gerais da CMP : Carvalhido Arquivo Histórico Casa do Infante

Pequeno trajeto desde as fronteiras entre Bonfim e Campanhã, até ao Jardim de São Lázaro onde se encontra a Biblioteca Pública Municipal do Porto. Durante o percurso olhamos aos símbolos mudos que constituíram as forças ruidosas do séc. XIX e XX, na cidade.

Ver mais

AGO

Percurso Especial #2—AO ENCONTRO DAS HORTAS DO VALE DE MASSARELOS

20

© Joana Leite

Partindo da Extensão do Romantismo propõe-se a visita a várias hortas no coração da cidade do Porto. Hortas perscrutadas pelo olhar de todos quantos cruzam este território, mas inacessíveis à possibilidade de as experienciar, pelos altos muros que as abrigam e mantêm como redutos de uma ancestral ligação à terra. Abrindo-se especialmente para este percurso, algumas das hortas do vale de Massarelos deixar-se-ão percorrer. Nelas será abordado o seu potencial no fornecimento de serviços gratuitos do ecossistema, fundamental para o equilíbrio do ambiente urbano e melhoria da qualidade de vida das comunidades, assim como a sua importância na economia circular de alimentos e a maior eficiência na gestão dos resíduos urbanos. Paralelamente, o seu importante papel na segurança alimentar de populações vulneráveis, funcionando ao mesmo tempo como ferramenta de saúde física e mental.

Ver mais

JUL

Percurso Especial #1—Carlos Alberto antes do Porto: personalidade e relações familiares - a verdadeira história de um rei romântico

23

Carlos Alberto no Porto por Antonio Puccinelli c. 1865. Bologna Museo civico del Risorgimento

Neste curto percurso, desde a capela dedicada a Carlos Alberto até ao oratório da casa onde morreu, serão apresentados dados biográficos inéditos sobre o único monarca estrangeiro que viveu no Porto, onde foi entronizado como o herói romântico por excelência. Embora conste nos anais da História como um rei derrotado, Carlos Alberto foi determinante nas mudanças ocorridas na Europa em meados do século XIX. Vários autores biografaram-no e são relativamente conhecidos os detalhes sobre o seu exílio no Porto. Porém, muito está por dizer sobre a sua juventude e relações familiares, fortemente condicionadoras da sua personalidade e percurso de vida.

Ver mais

JUL

De Azulejo em Azulejo… onde o Porto se renova

09

A azulejaria tradicional de fachada dos séculos XIX/XX servirá de tema à Deriva pela Cidade. As obras de reabilitação de edifícios revestidos a azulejo multiplicam-se, desafiam o tempo, tentam manter a génese duma imagem forte que tanto carateriza a Arquitetura Portuense. Por entre ruas sinuosas observam-se fachadas desiguais ou sobriamente repetidas com aquele azulejo original, replicado ou reinventado na sua forma, cor e matéria… é aqui onde o Porto se renova!

Ver mais

JUL

Do Romantismo ao Roseiral

05

De frente para o Palácio de Cristal, mas ainda tendo ao fundo o Palácio dos Carrancas, aliás, o Paço Real, evocar-se-ão as visitas régias do último quartel do século XIX. Percorrer-se-ão os jardins, com a Capela de São Carlos Borromeu, os vestígios musealizados dos antigos Paços do Concelho, chegando-se à Casa do Roseiral. Aqui, visita-se a Casa do Roseiral, construída para moradia do diretor do Palácio de Cristal e entretanto transformada em residência oficial do Presidente da Câmara Municipal do Porto. Tem uma vista privilegiada sobre o rio e sobre a cidade. Deve o seu nome às roseiras que a circundam e é o lugar onde se realizam no Município do Porto muitas das cerimónias protocolares e visitas oficiais.

Ver mais

JUN

DO CORAÇÃO DA CIDADE À ZONA RIBEIRINHA

11

Extensão Douro © Nuno Pinto

É habitual dizer-se que uma cidade é um organismo vivo. Se é tal, encontremo-nos então num dos pontos mais importantes, o coração desta cidade do Porto – o seu Centro Histórico. Daqui, percorrendo velhas artérias, iremos desembocar na Ribeira, outro dos pontos importantes da cidade que durante séculos compassou o fluxo de pessoas e mercadorias para dentro e para fora do burgo, derivando da sua maior artéria – o Douro.

Ver mais

JUN

DO CORAÇÃO DA CIDADE À ZONA RIBEIRINHA

07

Extensão Douro © Nuno Pinto

É habitual dizer-se que uma cidade é um organismo vivo. Se é tal, encontremo-nos então num dos pontos mais importantes, o coração desta cidade do Porto – o seu Centro Histórico. Daqui, percorrendo velhas artérias, iremos desembocar na Ribeira, outro dos pontos importantes da cidade que durante séculos compassou o fluxo de pessoas e mercadorias para dentro e para fora do burgo, derivando da sua maior artéria – o Douro.

Ver mais

JUN

Percurso da Natureza

07

Quinta do Meio [Quinta da Casa Tait] – Entre Quintas, c. 1900. Tulipeiro William C. Tait no jardim. Museu da Cidade | Coleção Pedro Vitorino

Nos riquíssimos redutos verdes constituídos pelos Jardins do Palácio de Cristal, os Jardins da Quinta da Macieirinha – Extensão do Romantismo – e os Jardins da Casa Tait pode encontrar-se uma grande variedade de vegetação nativa e exótica organizada em jardins formais e bosques. 

Ver mais

MAI

Percurso da Indústria

24

Vista da Barra, c. 1890. Vista panorâmica da zona de Massarelos e da barra do Douro, vendo-se os fornos da fábrica de cerâmica. Arquivo Histórico Municipal do Porto

Na paisagem de Massarelos avultam-se ainda vestígios de fábricas, de armazéns e oficinas, de linhas de caminhos de ferro e pontes, de bairros operários e ilhas, e umas tantas memórias de um tempo áureo, que teve no antigo edifício do Palácio de Cristal um notável exemplo.

Ver mais

MAI

Percurso Personalidade: Carlos Alberto

17

Capela de Carlos Alberto na Avenida das Tílias, c. 1890. Foto Guedes, Porto. Arquivo Histórico Municipal do Porto

Em abril de 1849 a cidade do Porto recebe Carlos Alberto – o rei exilado da Sardenha. De saúde muito fragilizada e muito desalentado pela derrota sofrida na Batalha de Novara, Carlos Alberto troca a coroa real pela vida singela e de recato, encontrando na cidade do Porto um refúgio para aqueles que viriam a ser os últimos três meses da sua vida.
O percurso percorre lugares de memória da sua estadia no Porto, destacando as três moradas que escolhe como residência, as marcas da sua profunda religiosidade, as suas vivências quotidianas extremamente condicionadas pela doença e os seus companheiros de fim de jornada.
Sem pompas, nem fausto, acaba por morrer aos 50 anos, transformando-se num herói popular portuense.

Ver mais

ABR

Percurso da Água

28

Porto, Palácio de Cristal: lago antigo, c. 1890. Foto Guedes. Arquivo Histórico Municipal do Porto

O percurso parte da cota alta dos Jardins do Palácio de Cristal e serpenteia por ruas estreitas até ao Rio Douro, subindo, por último, pela Rua dos Moinhos até à Rua D. Pedro V

Ver mais

ABR

Percurso da Água

28

Porto, Palácio de Cristal: lago antigo, c. 1890. Foto Guedes. Arquivo Histórico Municipal do Porto

O percurso parte da cota alta dos Jardins do Palácio de Cristal e serpenteia por ruas estreitas até ao Rio Douro, subindo, por último, pela Rua dos Moinhos até à Rua D. Pedro V

Ver mais

ABR

Percurso da Natureza

26

Quinta do Meio [Quinta da Casa Tait] – Entre Quintas, c. 1900. Tulipeiro William C. Tait no jardim. Museu da Cidade | Coleção Pedro Vitorino

Nos riquíssimos redutos verdes constituídos pelos Jardins do Palácio de Cristal, os Jardins da Quinta da Macieirinha – Extensão do Romantismo – e os Jardins da Casa Tait pode encontrar-se uma grande variedade de vegetação nativa e exótica organizada em jardins formais e bosques. 

Ver mais

ABR

Percurso da Natureza

26

Quinta do Meio [Quinta da Casa Tait] – Entre Quintas, c. 1900. Tulipeiro William C. Tait no jardim. Museu da Cidade | Coleção Pedro Vitorino

Nos riquíssimos redutos verdes constituídos pelos Jardins do Palácio de Cristal, os Jardins da Quinta da Macieirinha – Extensão do Romantismo – e os Jardins da Casa Tait pode encontrar-se uma grande variedade de vegetação nativa e exótica organizada em jardins formais e bosques. 

Ver mais

ABR

Percurso da Indústria

21

Vista da Barra, c. 1890. Vista panorâmica da zona de Massarelos e da barra do Douro, vendo-se os fornos da fábrica de cerâmica. Arquivo Histórico Municipal do Porto

Na paisagem de Massarelos avultam-se ainda vestígios de fábricas, de armazéns e oficinas, de linhas de caminhos de ferro e pontes, de bairros operários e ilhas, e umas tantas memórias de um tempo áureo, que teve no antigo edifício do Palácio de Cristal um notável exemplo.

Ver mais

ABR

Percurso da Indústria

21

Vista da Barra, c. 1890. Vista panorâmica da zona de Massarelos e da barra do Douro, vendo-se os fornos da fábrica de cerâmica. Arquivo Histórico Municipal do Porto

Na paisagem de Massarelos avultam-se ainda vestígios de fábricas, de armazéns e oficinas, de linhas de caminhos de ferro e pontes, de bairros operários e ilhas, e umas tantas memórias de um tempo áureo, que teve no antigo edifício do Palácio de Cristal um notável exemplo.

Ver mais

ABR

Percurso Personalidade: Carlos Alberto

19

Capela de Carlos Alberto na Avenida das Tílias, c. 1890. Foto Guedes, Porto. Arquivo Histórico Municipal do Porto

É precisamente no dia em que Carlos Alberto da Sardenha chega à cidade do Porto, há 173 anos, que se marca o arranque do novo programa dos Caminhos do Romântico: dia 19 de abril às 10H30. A partir de dia 19, e no decorrer de duas semanas, serão apresentados os quatro percursos iniciais a partir dos quais seremos convidados a descobrir o património histórico, natural e cultural do vale de Massarelos

Ver mais

ABR

Percurso Personalidade: Carlos Alberto

19

Capela de Carlos Alberto na Avenida das Tílias, c. 1890. Foto Guedes, Porto. Arquivo Histórico Municipal do Porto

É precisamente no dia em que Carlos Alberto da Sardenha chega à cidade do Porto, há 173 anos, que se marca o arranque do novo programa dos Caminhos do Romântico: dia 19 de abril às 10H30. A partir de dia 19, e no decorrer de duas semanas, serão apresentados os quatro percursos iniciais a partir dos quais seremos convidados a descobrir o património histórico, natural e cultural do vale de Massarelos.

Ver mais

MAI

O Azulejo na Arquitetura Portuense

07

© Fernando Noronha

A sessão tem como ponto de partida a Estação 6 do MdC, o Banco de Materiais. Em plena exposição visualizam-se exemplares da azulejaria de fachada do séc. XIX/ XX que servirão de tema para a deriva pela Cidade.

Ver mais

MAI

O Azulejo na Arquitetura Portuense

03

© Fernando Noronha

A sessão tem como ponto de partida a Estação 6 do MdC, o Banco de Materiais. Em plena exposição visualizam-se exemplares da azulejaria de fachada do séc. XIX/ XX que servirão de tema para a deriva pela Cidade.

Ver mais

ABR

Da Ribeira a São Bento

09

Rua Mouzinho da Silveira, Positivo, papel, p/b, fototipia, Centro Português de Fotografia | Coleção de Bilhetes-Postais)

Em 1872 surge o projeto para um novo eixo que uniria o porto ribeirinho à Praça D. Pedro IV, terminando onde viria a ser a Estação de São Bento. Grandes obras e inovações, como o caminho de ferro e a eletricidade, acompanham o surgimento deste eixo. Da Ribeira a São Bento, a Mouzinho produz uma espacialidade urbana que fixa um centro entretanto deslocado da Ribeira para a baixa do Porto.

Ver mais

MAR

O Porto dos Almada: O projeto de João de Almada para a requalificação do núcleo medieval

05

Detalhe da planta Redonda de George Black (1813). Arquivo Histórico Municipal do Porto.

Nesta sessão revisitaremos as ruas, praças e largos que definiam a cidade do século XV, interpretando o plano idealizado por João de Almada e Melo (1703-1786).

Ver mais

ABR

Da Ribeira a São Bento

05

Rua Mouzinho da Silveira, Positivo, papel, p/b, fototipia, Centro Português de Fotografia | Coleção de Bilhetes-Postais)

Em 1872 surge o projeto para um novo eixo que uniria o porto ribeirinho à Praça D. Pedro IV, terminando onde viria a ser a Estação de São Bento. Grandes obras e inovações, como o caminho de ferro e a eletricidade, acompanham o surgimento deste eixo. Da Ribeira a São Bento, a Mouzinho produz uma espacialidade urbana que fixa um centro entretanto deslocado da Ribeira para a baixa do Porto.

Ver mais

FEV

31 de janeiro — Itinerário da revolução #2

05

O percurso visa lembrar este acontecimento seguindo o itinerário dos revoltosos.

Ver mais

FEV

31 de janeiro — Itinerário da revolução

01

O percurso visa lembrar este acontecimento seguindo o itinerário dos revoltosos.

Ver mais

OUT

Reservatório

16

© Paula Preto

Deriva centrada no Reservatório, primeira estação do Museu da Cidade recentemente aberta ao público.

Ver mais

OUT

Reservatório

16

© Paula Preto

Deriva centrada no Reservatório, primeira estação do Museu da Cidade recentemente aberta ao público.

Ver mais

SET

Reservatório

25

© Paula Preto

Deriva centrada no Reservatório, primeira estação do Museu da Cidade recentemente aberta ao público.

Ver mais

SET

Reservatório

25

Deriva centrada no Reservatório, primeira estação do Museu da Cidade recentemente aberta ao público.

Ver mais

AGO

Reservatório

21

© Paula Preto

Deriva centrada no Reservatório, primeira estação do Museu da Cidade recentemente aberta ao público.

Ver mais

MAR

Eixo Natureza

07

© António Alves

Percurso operativo e contemplativo pelos jardins que recortam o Museu da Cidade com um passeio guiado que se inicia no jardim da Casa Marta Ortigão Sampaio e culmina no jardim Casa Tait, diante do Tulipeiro da Virgínia.

Ver mais

Música

Palco ao virtuosismo e à sensibilidade melómana nos espaços do Museu do Porto.

ABR

CICLO MAX REGER — CONCERTOS PARA ÓRGÃO

30

Mesa Borboleta, séc. XIX. Coleção do Museu do Porto

Nos 150 anos do nascimento de Johann Baptist Joseph Maximilian Reger (1873–1916), este ciclo desafia-nos a redescobrir o ilustre compositor, maestro, pianista, organista e académico.

Ver mais

ABR

CICLO DE RECITAIS — MAX REGER | Rui Silva e Cristóvão Luiz

22

Mesa Borboleta, séc. XIX. Coleção do Museu do Porto

Nos 150 anos do nascimento de Johann Baptist Joseph Maximilian Reger (1873–1916), este ciclo desafia-nos a redescobrir o ilustre compositor, maestro, pianista, organista e académico.

Ver mais

ABR

CICLO DE RECITAIS — MAX REGER | Bernardo Soares e Sérgio de A.

15

Mesa Borboleta, séc. XIX. Coleção do Museu do Porto

Nos 150 anos do nascimento de Johann Baptist Joseph Maximilian Reger (1873–1916), este ciclo desafia-nos a redescobrir o ilustre compositor, maestro, pianista, organista e académico.

Ver mais

ABR

CICLO DE RECITAIS — MAX REGER | Rafaela Ribeiro de Oliveira

01

Mesa Borboleta, séc. XIX. Coleção do Museu do Porto

Nos 150 anos do nascimento de Johann Baptist Joseph Maximilian Reger (1873–1916), este ciclo desafia-nos a redescobrir o ilustre compositor, maestro, pianista, organista e académico.

Ver mais

MAR

CICLO DE RECITAIS — O piano romântico: 150 anos de Rachmaninoff | Carolina Frederico, Jed Barahal e Vasco Dantas

25

Vista de Recital no Museu Romântico. Fotografia de Sérgio Rolando

Este ciclo de música de câmara é dedicado às comemorações do 150.º aniversário de Sergei Rachmaninoff (1873-1943), extraordinário compositor russo que foi também maestro e pianista virtuoso, um dos mais proeminentes na sua época.

Ver mais

MAR

CICLO DE RECITAIS — O piano romântico: 150 anos de Rachmaninoff | Augusto Trindade e João Bettencourt da Câmara

18

Vista de Recital no Museu Romântico. Fotografia de Sérgio Rolando

Este ciclo de música de câmara é dedicado às comemorações do 150.º aniversário de Sergei Rachmaninoff (1873-1943), extraordinário compositor russo que foi também maestro e pianista virtuoso, um dos mais proeminentes na sua época.

Ver mais

MAR

CICLO DE RECITAIS — O piano romântico: 150 anos de Rachmaninoff | JED BARAHAL E BERNARDO SOARES

11

Vista de Recital no Museu Romântico. Fotografia de Sérgio Rolando

Este ciclo de música de câmara é dedicado às comemorações do 150.º aniversário de Sergei Rachmaninoff (1873-1943), extraordinário compositor russo que foi também maestro e pianista virtuoso, um dos mais proeminentes na sua época.

Ver mais

MAR

CICLO DE RECITAIS — O piano romântico: 150 anos de Rachmaninoff | YANJUN CHEN

04

Vista de Recital no Museu Romântico. Fotografia de Sérgio Rolando

Este ciclo de música de câmara é dedicado às comemorações do 150.º aniversário de Sergei Rachmaninoff (1873-1943), extraordinário compositor russo que foi também maestro e pianista virtuoso, um dos mais proeminentes na sua época.

Ver mais

FEV

II FESTIVAL INTERNACIONAL DE MÚSICA DE SANTA CECÍLIA — Nuno Ventura de Sousa

25

DR

O II Festival Internacional de Santa Cecília surge da parceria entre a Câmara Municipal do Porto e o Curso de Música Silva Monteiro. O concurso realiza-se anualmente na Casa da Música e, em julho de 2023, organiza a sua 25ª edição, contando com a participação de mais de 100 pianistas oriundos de todo o mundo. A Câmara Municipal do Porto atribui o “Prémio Câmara Municipal do Porto” ao primeiro classificado do CISC e apoia a organização deste festival, dando visibilidade a jovens pianistas que participaram e se destacaram no concurso. O festival realiza-se na Extensão do Romantismo, no histórico piano que pertenceu a Guilhermina Suggia, e é dedicado a um repertório da mesma época.

Ver mais

FEV

II FESTIVAL INTERNACIONAL DE MÚSICA DE SANTA CECÍLIA — Leo de María

18

DR

O II Festival Internacional de Santa Cecília surge da parceria entre a Câmara Municipal do Porto e o Curso de Música Silva Monteiro. O concurso realiza-se anualmente na Casa da Música e, em julho de 2023, organiza a sua 25ª edição, contando com a participação de mais de 100 pianistas oriundos de todo o mundo. A Câmara Municipal do Porto atribui o “Prémio Câmara Municipal do Porto” ao primeiro classificado do CISC e apoia a organização deste festival, dando visibilidade a jovens pianistas que participaram e se destacaram no concurso. O festival realiza-se na Extensão do Romantismo, no histórico piano que pertenceu a Guilhermina Suggia, e é dedicado a um repertório da mesma época.

Ver mais

FEV

II FESTIVAL INTERNACIONAL DE MÚSICA DE SANTA CECÍLIA — Jan Čmejla

11

DR

O II Festival Internacional de Santa Cecília surge da parceria entre a Câmara Municipal do Porto e o Curso de Música Silva Monteiro. O concurso realiza-se anualmente na Casa da Música e, em julho de 2023, organiza a sua 25ª edição, contando com a participação de mais de 100 pianistas oriundos de todo o mundo. A Câmara Municipal do Porto atribui o “Prémio Câmara Municipal do Porto” ao primeiro classificado do CISC e apoia a organização deste festival, dando visibilidade a jovens pianistas que participaram e se destacaram no concurso. O festival realiza-se na Extensão do Romantismo, no histórico piano que pertenceu a Guilhermina Suggia, e é dedicado a um repertório da mesma época.

Ver mais

FEV

II FESTIVAL INTERNACIONAL DE MÚSICA DE SANTA CECÍLIA — Evgeny Konnov

04

DR

O II Festival Internacional de Santa Cecília surge da parceria entre a Câmara Municipal do Porto e o Curso de Música Silva Monteiro. O concurso realiza-se anualmente na Casa da Música e, em julho de 2023, organiza a sua 25ª edição, contando com a participação de mais de 100 pianistas oriundos de todo o mundo. A Câmara Municipal do Porto atribui o “Prémio Câmara Municipal do Porto” ao primeiro classificado do CISC e apoia a organização deste festival, dando visibilidade a jovens pianistas que participaram e se destacaram no concurso. O festival realiza-se na Extensão do Romantismo, no histórico piano que pertenceu a Guilhermina Suggia, e é dedicado a um repertório da mesma época.

Ver mais

DEZ

MÚSICA NO PATRIMÓNIO — Em diálogo com Manuel Gusmão

11

Partido do universo poético de Manuel Gusmão, este recital colocará em diálogo o texto e a música de compositores como Tarrega e António Pinho Vargas. Isaque Ferreira selecionou textos que irá declamar, e os músicos Francisco Berény e Álvaro Teixeira Lopes assumem a seleção e interpretação das obras musicais, tendo como inspiração da exposição Manuel Gusmão — Escrevo para um amigo que virá.

Ver mais

DEZ

O SOM E A PALAVRA AOS JOVENS PIANISTAS #6

10

O pianista Vasco Dantas Rocha encerra o ciclo com chave de ouro, e é caracterizado pela crítica desta forma: “Pianista raro pela sua grande generosidade e força emotiva, Vasco Dantas caracteriza-se pela intensidade e doçura simultaneamente consignadas nas suas interpretações” © Jornal Düren, Alemanha. É um artista com uma pródiga carreira nacional e internacional, a qual inclui gravações a solo, atuações em grandes salas internacionais, entre outras marcas de prestígio que nos deixam igualmente orgulhosos de ser Portugueses.
Será apresentado um repertório de sua livre eleição, que provocará o espanto e deslumbramento no público presente, marca de excelência desta programação, com Fados ao piano de Rey Colaço, entre outras obras de Schumann e transcrições para piano de Carl Reinecke.

Ver mais

DEZ

In Spiritum — Harmonie du soir, a canção francesa séc. XIX

05

Raquel Camarinha & Yoan Héreau, © Paul Montag

No âmbito do In Spiritum — Festival de Música do Porto, que decorre de 1 a 12 de dezembro em vários locais da cidade, a soprano Raquel Camarinha e o pianista francês Yoan Héreau, apresentam o programa Harmonie du soir, a canção francesa no séc. XIX, com obras de Fauré, Debussy e Duparc.

Ver mais

DEZ

Musica Brevis #2

04

Orquestra da Costa Atlântica

Com a curadoria artística do maestro Luís Miguel Clemente, o concerto Musica Brevis #2 explorará obras para Trio de Madeiras (flauta, clarinete e fagote), aprofundando o potencial tímbrico e técnico desta formação através da abordagem interpretativa a estilos que partem de uma linguagem típica do Romantismo e se estendem pelo Expressionismo, Neoclassicismo até ao Contemporâneo. O Trio de Madeiras da Orquestra da Costa Atlântica irá interpretar o magnífico Trio Op. 87 de Beethoven, o Trio Op. 92 do compositor francês Charles Koechlin e ainda Fragments for Wind Trio de Robert Muczynski. Destaque para a estreia absoluta de Pelos Campos Fora II da autoria do prestigiado compositor português Sérgio Azevedo.

Ver mais

DEZ

Beethoven e Schubert: A Revolução Romântica

04

Memória do Feliz Juramento da Constituição Portugueza nos faustosos dias 24 de agosto e 15 de setembro de 1820 [enigma]. Biblioteca Nacional de Portugal, Lisboa.

Beethoven e Schubert abriram caminho para um dos períodos mais ricos e emblemáticos da História da Música, o Romantismo, deixando novas perspetivas tanto na forma, como na expressão. Este período trouxe-nos uma música que evocava de uma forma preponderante a emoção, a intensidade ou a intuição das linhas musicais.

Ver mais

DEZ

MÚSICA NO PATRIMÓNIO — Quarteto de Guitarras de Viseu

04

André Cardoso, António Coelho, Marco Pereira e Paula Sobral são os quatro guitarristas que constituem o Quarteto de Guitarras de Viseu. Os seus elementos participaram em cursos e masterclasses de guitarra orientados por Carlo Marchione, Judicael Perroy, Fábio Zanon, Roland Dyens, Roberto Aussel, entre outros. O grupo de câmara soma múltiplos concertos em vários locais do país, apresentando um repertório eclético: dos grandes nomes de música erudita, aos mais sonantes compositores contemporâneos. Ao longo do seu percurso, o Quarteto de Guitarras de Viseu reserva um grande número de arranjos e transcrições singulares.

Ver mais

DEZ

O SOM E A PALAVRA AOS JOVENS PIANISTAS #5

03

O pianista João Bettencourt da Câmara diz ter um único objetivo na vida enquanto pianista: servir a música, servir a obra, ser um mero veículo à sua concretização. Mais do que um espetáculo, um recital ou um concerto deverá ser visto como o momento em que uma obra ganha vida. Devemos, enquanto pianistas e intérpretes, ter em conta que não somos nada para além do veio de transmissão que permite que a obra viva. É ela que deve ser o centro deste transcendente processo, e não nós. Brahms e Debussy são apontados como os seus compositores favoritos e explica: Julgo que nenhum compositor, em toda a história da música, poderá ser justamente comparado a Johannes Brahms e Claude Debussy. Brahms, por seu lado, pelo seu gigantesco e incomparável sentido de transcendência e nobreza; de uma outra perspetiva, Debussy é, talvez, o mais revolucionário de todos, pela imensa sensualidade da sua música e, também, pelo facto de ter conseguido explorar timbricamente o piano como nenhum outro. In www.xmusic.pt
Teremos o privilégio de o ouvir aqui na Extensão do Romantismo do Museu da Cidade na interpretação da extraordinária obra do seu predileto J. Brahms, a Sonata Op. 5.

Ver mais

NOV

MÚSICA NO PATRIMÓNIO — Svetlana Eganian e Yolande Kouznetsov

27

Svetlana Eganian e Yolande Kouznetsov, mãe e filha, são duas pianistas concertistas cujos brilhantes caminhos se cruzaram para formar um duo de piano a quatro mãos e dois pianos. Apresentam-se frequentemente na Europa e na Rússia, tanto em recital como em duplo concerto com orquestra, sob a direção de eminentes maestros como Edouard Ambartsumian e Christian Fitzner.

Ver mais

NOV

O SOM E A PALAVRA AOS JOVENS PIANISTAS #4

26

O aclamado pianista Raúl da Costa premiado em vários concursos nacionais e internacionais é presença recorrente nas salas portuguesas mais emblemáticas, destacando-se também o sucesso obtido em festivais internacionais de música e em muitos palcos da Europa, dos E.U.A. e da Ásia. Para além de uma notável carreira a solo, também se dedica com muita energia ao intercâmbio com outros instrumentistas, no âmbito da música de câmara.
Será certamente um privilégio ouvi-lo ao vivo e em direto com obras da sua predileção, sempre com a sensibilidade, lirismo e “olhar” especial de intérprete de excelência que o caracteriza.

Ver mais

NOV

Musica Brevis #1

20

A Orquestra da Costa Atlântica apresenta no Museu da Cidade | Extensão do Romantismo um concerto de música de câmara sob o mote “Musica Brevis”. Com a curadoria artística do maestro Luís Miguel Clemente, serão interpretadas três obras para Quinteto de Sopros compostas no séc. XX, da autoria de Jacques Ibert, Paul Taffanel e Eurico Carrapatoso. As obras exploram de forma magistral o potencial tímbrico e técnico do quinteto para sopros e, em particular, na obra do aclamado compositor português Eurico Carrapatoso, a “revisitação sonora” à linguagem compositiva que fez escola no séc. XX, designadamente a de Bartok, Webern, Messiaen e Stravinsky.

Ver mais

NOV

Música Portuguesa em Tempos de Revolução

20

Memória do Feliz Juramento da Constituição Portugueza nos faustosos dias 24 de agosto e 15 de setembro de 1820 [enigma]. Biblioteca Nacional de Portugal, Lisboa.

Esta sessão do ciclo Criação e Revolução tem com proposta a promoção e divulgação das obras de autores portugueses do período entre os séculos XVIII e XIX, onde subjaz a investigação de fontes musicais, interpretados pelo tenor Márcio da Rosa com acompanhamento de Isabel Calado ao piano.

Ver mais

NOV

Música no Património — Aires Pinheiro

20

José Duarte Costa (1921-2004) foi uma figura chave no desenvolvimento da prática da guitarra, em Portugal. Enquanto intérprete, compositor, pedagogo e empreendedor, foi determinante para o reconhecimento da guitarra como instrumento de música erudita. O guitarrista Aires Pinheiro interpretará doze obras de J. Duarte Costa, autor e obra que tem vindo a aprofundar na sua tese de doutoramento em Música – Área de Estudos em Performance pela Universidade de Aveiro.

Ver mais

NOV

O SOM E A PALAVRA AOS JOVENS PIANISTAS #3

19

A muito jovem Rafaela Ribeiro de Oliveira (2004) é já detentora de um brilhantíssimo percurso ao piano, que inclui inúmeros prémios nacionais e internacionais, concertos em diversos palcos, a solo e com orquestra, entre outras atuações públicas.
Apresenta-se no âmbito deste variado ciclo com um repertório de obras de grande virtuosismo e lirismo intimista de Liszt e Chopin no ambiente de Romantismo, assim como a textura moderna do autor da banda sonora do premiado filme da realizadora Jane Campion “O piano”, o compositor Michael Nyman, e a sua belíssima obra “The Heart asks Pleasure First”.

Ver mais

NOV

O SOM E A PALAVRA AOS JOVENS PIANISTAS #2

12

O jovem pianista Pedro Gomes (1991)  afirmou a sua qualidade de performance através de uma profusa carreira, muitos prémios internacionais e concertos. Na Casa da Música em dois concertos com a Orquestra Sinfónica do Porto, sob a direção de Michael Sanderling, na Fundação Gulbenkian, com a Orquestra Clássica do Sul, com o Maestro Rui Pinheiro e na Sala Suggia da Casa da Música com a Maestrina Joana Carneiro. O repertório com o qual vai brindar o público portuense inclui obras perenes como a Sonata ao Luar de Beethoven, Valsas de Chopin e a atmosfera única dos compositores Scriabin e Kapustin.

Ver mais

NOV

O SOM E A PALAVRA AOS JOVENS PIANISTAS #1

05

Este ciclo inicia-se da melhor forma, com a atuação da pianista Joana Gama, uma pianista portuguesa que se desdobra em múltiplos projetos quer a solo, quer em colaborações nas áreas do cinema, da dança, do teatro, da fotografia e da música. A sua versatilidade é afirmada pela própria num curriculum bem preenchido com uma carreira de mérito, apresentando-nos neste concerto obras de Erik Satie, John Cage e Hans Otte, que nos reservam momentos de espanto e deslumbramento.

Ver mais

OUT

Constelação Brahms #6 – Concerto de Orquestra

30

Orquestra Filarmónica Portuguesa

A Orquestra Filarmónica Portuguesa, dirigida pelo seu Maestro Titular e Diretor Artístico, Osvaldo Ferreira, apresenta-se na Igreja da Lapa para um concerto inteiramente dedicado a compositores do período romântico, com obras de Gulda e Brahms.

Ver mais

OUT

Constelação Brahms #5

29

© João Pereira

No último sábado de outubro, o ciclo Constelação Brahms do MUSEU DA CIDADE | Extensão do Romantismo apresentará obras de Johannes Brahms e Francis Poulenc. Esta tarde será ainda assinalada pela interpretação de peças do jovem compositor português, Pedro Emanuel Pereira. Estas obras serão interpretadas por dois talentosos jovens portugueses: Carlos Ferreira (clarinete) e Pedro Emanuel Pereira (piano).

Ver mais

OUT

Constelação Brahms #4

22

© João Pereira

Neste quarto recital do ciclo Constelação Brahms do MUSEU DA CIDADE | Extensão do Romantismo teremos a oportunidade de testemunhar algumas das mais marcantes obras de dois geniais compositores do romantismo Johannes Brahms e Sergei Rachmaninov. São intérpretes três notáveis músicos que, oriundos de países distintos, demonstram que a música é polo de união – Carolina Frederico, Jed Barahal e Vasco Dantas. 

Ver mais

OUT

Constelação Brahms #3

15

© João Pereira

O terceiro recital integrado no ciclo Constelação Brahms do MUSEU DA CIDADE | Extensão do Romantismo é preenchido com obras de dois geniais compositores do romantismo (Johannes Brahms e Franz Liszt) e com três peças de José Vianna da Motta, com Marta Menezes no piano.

Ver mais

OUT

Constelação Brahms #2

08

© João Pereira

No segundo recital integrado no ciclo Constelação Brahms do MUSEU DA CIDADE | Extensão do Romantismo teremos a oportunidade de escutar obras de três dos mais famosos e geniais compositores do período romântico – Chopin, Brahms e Liszt – pelos intérpretes Augusto Trindade (violino) e João Bettencourt da Câmara (piano), dois dos mais relevantes músicos e pedagogos portugueses.

Ver mais

OUT

Constelação Brahms #1

01

© João Pereira

No primeiro recital do ciclo Constelação Brahms, com direção artística do Maestro Osvaldo Ferreira, iremos ouvir duas importantes obras de dois dos expoentes dos compositores da época romântica: Schumann e Brahms. A interpretação estará a cargo de um quarteto de cordas com clarinete constituído por Horácio Ferreira, Carolina Frederico, Oksana Kurtash, David Lloyd e Jed Barahal.

Ver mais

SET

RECITAL – Evocação Aurélia de Souza

25

Aurélia de Souza, "Jarros na Borda de uma Taça", s.d. Museu da Cidade | Casa Marta Ortigão Sampaio, © António Alves

Por iniciativa da Associação Círculo de Amigos Marta Ortigão Sampaio, o Ensemble de Professores da EMGS associa-se ao Museu da Cidade | Casa Marta Ortigão Sampaio na evocação dos 100 anos da morte de Aurélia de Souza, apresentando um recital comentado pelos próprios intervenientes, com um conjunto de obras e compositores que convocam esta artista portuense.

Ver mais

MAR

Empatia, Deslumbramento, Intensidade: o artista perante o mundo-abismo

31

© João Pereira

Num estilo de composição musical inconfundível do vienense Franz Schubert (1797-1828), é interpretada a sua famosa Fantasia em fá menor para a formação mais popular da época do Romantismo, o piano a 4 mãos por Sofia Lourenço e Pedro Monteiro. Nuno Faria junta-se a uma conversa para uma reflexão final com os dois curadores do ciclo.

Ver mais

FEV

Criação Musical no Feminino

24

© João Pereira

Nesta sessão pretendemos fazer ouvir obras de autoras e compositoras quase desconhecidas do grande público, ao mesmo tempo que se sublinha a presença das mulheres solistas ao piano, reflexo de uma cultura de modernidade pela sociedade burguesa oitocentista. Neste duplo movimento de emancipação, Sofia Lourenço interpreta as compositoras alemãs Fanny Hensel-Mendelssohn (1805-1847), Clara Schumann (1819-1896), e as portuguesas Berta Alves de Souza (1906-1997) e Clotilde Rosa. A juíza conselheira Maria Clara Sottomayor junta-se à conversa.

Ver mais

FEV

Festival de Música de Santa Cecília — Aleksandar Djermanović

06

Aleksander

No último dos três recitais que compõem o Festival, o pianista e doutorando na Academia das Artes de Novi Sad,  Aleksandar Djermanović, interpreta Bach, Schubert, Lizst, Rachmaninoff e as valsas de Brahms.

Ver mais

FEV

Festival de Música de Santa Cecília — Ivan Bašić

05

No segundo dos três recitais que compõem o Festival, Ivan Bašić, premiado pianista emergente pianista, e grande promotor da música contemporânea sérvia, interpreta Scarlatti, Chopin, Ravel e Cláudio Carneiro.

Ver mais

FEV

Festival de Música de Santa Cecília — Philipp Scheucher

04

© Christa Strobl

No primeiro de três recitais que compõem o Festival de Música de Santa Cecília, Philipp Scheucher, também vencedor do International Music Prize (Colónia), interpreta três sonatas de Bethooven.

Ver mais

JAN

Revolução Silenciosa

29

Memória do Feliz Juramento da Constituição Portugueza nos faustosos dias 24 de agosto e 15 de setembro de 1820 [enigma]. Biblioteca Nacional de Portugal, Lisboa.

Luiz Costa (Fralães 1879 – Porto 1960) foi um músico e compositor verdadeiramente revolucionário no nosso país, especialmente na cidade do Porto. Nesta sessão os Lusitanae Ensemble e a cantora Sara Braga Simões, interpretam Luiz Costa, Giacomo Rossini e Vincenzo Bellini.

Ver mais

JAN

Música e Literatura

27

© João Pereira

A poesia e a música são o mote para uma sessão que conta com a participação da soprano Dora Rodrigues, e a convidada Isabel Pires de Lima. A melodia vocal, as questões de prosódia e linguísticas colocados pela língua portuguesa e pela sua genuína expressão musical estarão patentes na audição das canções de Viana da Mota (1868-1948) e Francisco de Lacerda (1869-1934).

Ver mais

DEZ

MAO MAO- Aquilo que nos esmaga é também o que nos liberta

17

Projeto musical de spoken word idealizado pelo escritor Valério Romão e pelo poeta e músico José Anjos, em torno de poemas chineses antigos e contemporâneos escritos por trabalhadores fabris. Com a participação especial de Adolfo Luxúria Canibal.

Ver mais

DEZ

Etnografia e Música Portuguesa na obra de Fernando Lopes-Graça

16

© João Pereira

É no advento que escolhemos interpretar Natais Portugueses (1954) de Fernando Lopes-Graça (1906-1994), na qual a exemplo de muitas outras da sua profícua produção empreende harmonizações de melodias populares portuguesas. O escritor Pedro Eiras é o convidado da sessão, abordando as virtualidades de plasticidade lírica e musical da obra interpretada.

Ver mais

NOV

Revolução e Continuidade

27

Memória do Feliz Juramento da Constituição Portugueza nos faustosos dias 24 de agosto e 15 de setembro de 1820 [enigma]. Biblioteca Nacional de Portugal, Lisboa.

Abordando desde C. W. Gluck, considerado o reformador a ópera séria, a W.A. Mozart e V. Bellini, este recital inclui obras de alguns dos compositores mais relevantes da ópera do final do século XVIII e início do século XIX. Contrastando com o repertório dos grandes palcos, serão interpretadas várias modinhas (canções luso-brasileiras tocadas maioritariamente em contextos privados) assim como obras para piano solo do compositor portuense Óscar da Silva.

Ver mais

NOV

Romantismo Ibérico

25

© João Pereira

A terceira sessão centra-se no compositor, pianista e dramaturgo Isaac Albéniz (1860-1909) e Manuel de Falla (1876-1946), ambos explorando temas de folclorismo ibérico. Depois da interpretação de Sofia Lourenço ao piano, segue-se uma conversa, moderada por Pedro Monteiro, com  poeta e crítico literário António Carlos Cortez debruça-se sobre o Romantismo Ibérico, na respetiva atmosfera lírica e dramática.

Ver mais

NOV

Desdesenhos Animados

13

Tomás Cunha Ferreira (detalhe)

Uma performance-concerto para todas as idades, que oferece ao público de todas as infâncias mais uma das facetas do universo poético e plástico de Tomás Cunha Ferreira, onde o som, a música, a palavra, as formas, as cores, os objetos, os recortes e os gestos se contaminam para criar uma particular paisagem-floresta imaginária, um nenhures concreto e flutuante, pleno de espaço para que caminhemos por ele adentro.

Ver mais

NOV

A Revolução e a Criação Artística

13

Memória do Feliz Juramento da Constituição Portugueza nos faustosos dias 24 de agosto e 15 de setembro de 1820 [enigma]. Biblioteca Nacional de Portugal, Lisboa.

O ímpeto para a criação artística é, também ele, um ímpeto revolucionário que se reflete em obras que marcaram a história da música e da cultura de vários países. Estas obras representam tochas acesas em defesa de determinados princípios e são demonstrações acérrimas de posições ou oposições. O Lusitanae Ensemble (Eliseu Silva, Emanuel Vieira, Filipe Roriz) e Andreia Pereira interpretam Bach, Gliére, Medina Ribas e Mozart.

Ver mais

NOV

Uma Revolução pela Independência Artística

06

Memória do Feliz Juramento da Constituição Portugueza nos faustosos dias 24 de agosto e 15 de setembro de 1820 [enigma]. Biblioteca Nacional de Portugal, Lisboa.

O encontro de contrastes e um sentimento de insatisfação antecipam qualquer revolução. Nesta primeira sessão, o contraste manifesta-se através da escolha dos compositores e a sua estética musical tão distinta, unindo-os o desagrado, a vontade de mudança, a música como instrumento de mudança e intervenção social: Mozart e Schostakovich são interpretados Lusitanae Ensemble (Eliseu Silva, Ana Patrícia Lopes, Emanuel Vieira, Filipe Roriz) e Helder Barbosa.

Ver mais

OUT

Romantismo Alemão: entre Folclorismo, Cosmopolitismo e Nacionalismo

28

© João Pereira

A segunda sessão do programa Música e Romantismo incide sobre  José Viana da Mota (1868-1948), pianista e compositor de peças que marcaram o nacionalismo musical tardo-romântico em Portugal, interpretadas por Sofia Lourenço ao piano e debatidas com John Greenfield e moderação de Pedro Monteiro.

Ver mais

SET

Romantismo Portuense

30

Extensão do Romantismo

A primeira sessão do programa Música e Romantismo decorre com o protagonismo do piano, o verdadeiro instrumento musical da Era Romântica. Temas musicais dos autores portugueses João Guilherme Daddi e Óscar da Silva, portuenses nascidos em Miragaia e Paranhos. Interpretação ao vivo, em recital a solo, numa ocasião única de fruição estética. Segue-se uma intervenção e conversa com o convidado Rui Vieira Nery.

Ver mais

Performance

FEV

"Quinta da China” (momento III) | De Corpo Presente

11

O terceiro momento da performance de Luísa Mota tem como título Quinta da China, lugar de vivências de Aurélia e Sofia de Souza. Tendo o primeiro ato iniciado com os Crystal Beings, para uma limpeza energética do espaço do Museu, este segundo ato desenvolve-se de forma íntima, porque a Quinta da China foi o lugar onde Luísa Mota também viveu e onde ainda produz o seu trabalho artístico. Este ato performativo é um retrato da célebre Quinta através dos seus atuais residentes, a sua própria família. A sua mãe, irmãs, filhas e sobrinhas apresentam-se aqui como um plateau de linhas cruzadas entre espaço, personalidades, heranças cármicas, energia do Feminino, criando ligações e espelhamentos entre o agora, o antes e o depois.
Os alunos da Escola Secundária Aurélia de Sousa integrarão novamente a performance interpretando os Crystal Beings, que também surgirão neste ato.

Ver mais

FEV

"O Teatro das Plantas" | De Corpo Presente

04

Em O Teatro das Plantas é invocado o jardim representado na pintura À Sombra (s.d.), de Aurélia de Souza, através da audição de uma teia de brevíssimas narrativas construídas e recitadas por Isabel Carvalho. Estas narrativas partem de dados biográficos da pintora e de observações e recomendações ficcionalmente trocadas, ao longo de extensas gerações, entre mães e filhas, entre irmãs, e entre filhas que passam a ser “mães”, num teatro familiar de cuidados mútuos, recriado além do parentesco linear. Para esta composição, Kali/João Leonardo criou um ambiente sonoro, estruturado a partir dos elementos naturais implícitos nas narrativas.

Ver mais

FEV

"O Teatro das Plantas" | De Corpo Presente

02

Em O Teatro das Plantas é invocado o jardim representado na pintura À Sombra (s.d.), de Aurélia de Souza, através da audição de uma teia de brevíssimas narrativas construídas e recitadas por Isabel Carvalho. Estas narrativas partem de dados biográficos da pintora e de observações e recomendações ficcionalmente trocadas, ao longo de extensas gerações, entre mães e filhas, entre irmãs, e entre filhas que passam a ser “mães”, num teatro familiar de cuidados mútuos, recriado além do parentesco linear. Para esta composição, Kali/João Leonardo criou um ambiente sonoro, estruturado a partir dos elementos naturais implícitos nas narrativas.

Ver mais

JAN

"Quinta da China” (momento II) | De Corpo Presente

28

Ⓒ António Alves

O segundo momento da performance de Luísa Mota tem como título Quinta da China, lugar de vivências de Aurélia e Sofia de Sousa. Tendo o primeiro ato iniciado com os Crystal Beings, para uma limpeza energética do espaço do Museu, este segundo ato desenvolve-se de forma íntima, porque a Quinta da China foi o lugar onde Luísa Mota também viveu e onde ainda produz o seu trabalho artístico. Este ato performativo é um retrato da célebre Quinta através dos seus atuais residentes, a sua própria família. A sua mãe, irmãs, filhas e sobrinhas apresentam-se aqui como um plateau de linhas cruzadas entre espaço, personalidades, heranças cármicas, energia do Feminino, criando ligações e espelhamentos entre o agora, o antes e o depois.
Os alunos da Escola Secundária Aurélia de Sousa integrarão novamente a performance interpretando os Crystal Beings, que também surgirão neste ato.

Ver mais

JAN

“Desfazer – monólogo para um museu” | De Corpo Presente

21

Desfazer – monólogo para um museu é uma experiência sonora que se situa entre a performance-lecture e a instalação participativa. Partindo das palavras do poeta André Tecedeiro e através de uma prática de ordem e caos, ritmo e transformação cria-se uma paisagem ficcional que põe em evidência conceitos como a autobiografia, a memória, o coletivo. Com acento no som e no espaço, o monólogo transforma-se em diálogo, a voz em corpo, a palavra em gesto.

Ver mais

JAN

“Desfazer – monólogo para um museu” | De Corpo Presente

19

Desfazer – monólogo para um museu é uma experiência sonora que se situa entre a performance-lecture e a instalação participativa. Partindo das palavras do poeta André Tecedeiro e através de uma prática de ordem e caos, ritmo e transformação cria-se uma paisagem ficcional que põe em evidência conceitos como a autobiografia, a memória, o coletivo. Com acento no som e no espaço, o monólogo transforma-se em diálogo, a voz em corpo, a palavra em gesto.

Ver mais

JAN

"Aurélia — distinta matéria" | De Corpo Presente

12

Aurélia de Souza, “Estudo (Mãos da Artista)” / Rui Pinheiro © MNSR

“Aurélia — distinta matéria” parte da observação da obra da artista, em particular dos seus retratos e autorretratos, para pensar o lugar do rosto e cabeça na relação com o resto do corpo. Entre todas as partes do corpo, o rosto parece ser feito de distinta matéria. Como parte da cabeça, usufrui de semelhante privilégio nas hierarquias do corpo. Uma espécie de escudo para a relação com a realidade, permanentemente exposto e aberto a estímulos exteriores, tornou-se alvo recorrente de representações. Se se trata do nosso rosto, é uma das partes do corpo que podemos ver apenas quando refletida numa superfície espelhada ou quando reproduzida numa imagem, seja qual for a sua natureza. Vemo-lo sempre indiretamente. E nessas condições sempre de modo diferente do que é dado a ver ao outro, que o pode olhar diretamente.

Ver mais

NOV

Desfazer — monólogo para um Museu

18

Com texto dramatúrgico de André Tecedeiro e performance participada de Carminda Soares, Desfazer – monólogo para um museu convida a leitura por uma ou mais vozes, entre conhecidos ou completos desconhecidos, para um museu vazio ou não, para garantir, de alguma forma, que esta história seja contada. Este é o primeiro momento performativo do pla.tô, projeto projeto de desterritorialização e desmaterialização de formas dramáticas tradicionais concebido pelo Ao Cabo Teatro para o Museu da Cidade. Acontece dias 18, 19 e 20 NOV 2022.

Ver mais

MAR

Performance ASCETICA

25

ASCETICA em residência no Reservatório

O projeto ASCETICA desenvolve-se no Museu da Cidade através de duas ações: uma residência artística aberta aos visitantes do Reservatório – entre 22 e 24 de março – e uma performance no dia 25 às 21:30h.

Ver mais

NOV

Desdesenhos Animados

13

Tomás Cunha Ferreira (detalhe)

Uma performance-concerto para todas as idades, que oferece ao público de todas as infâncias mais uma das facetas do universo poético e plástico de Tomás Cunha Ferreira, onde o som, a música, a palavra, as formas, as cores, os objetos, os recortes e os gestos se contaminam para criar uma particular paisagem-floresta imaginária, um nenhures concreto e flutuante, pleno de espaço para que caminhemos por ele adentro.

Ver mais

JUL

Matérias Sensíveis: Oficinas da terra e do ar

25

© BOA – Bombarda Oficinas de Artes

Convidamos a pensar com as mãos os movimentos de diferentes matérias, agora familiares ao espaço do Reservatório do Museu da Cidade. Os gestos convocados pelos participantes manifestam a vontade de trazer para a luz, de registar a passagem do tempo pelas matérias sensíveis, de projetar e desenhar outras existências para fragmentos reservados.

Ver mais

JUL

Matérias Sensíveis: Oficinas da terra e do ar

18

© BOA – Bombarda Oficinas de Artes

Convidamos a pensar com as mãos os movimentos de diferentes matérias, agora familiares ao espaço do Reservatório do Museu da Cidade. Os gestos convocados pelos participantes manifestam a vontade de trazer para a luz, de registar a passagem do tempo pelas matérias sensíveis, de projetar e desenhar outras existências para fragmentos reservados.

Ver mais

Dia do Vizinho

Programas operativos, oficinas, visitas e outras atividades, ao longo de um dia, envolvendo a vizinhança de cada espaço do museu. Acontece no primeiro domingo de fevereiro, junho e outubro, às 10H.

FEV

Dia do Vizinho #4 Casa Marta Ortigão Sampaio | INSCRIÇÕES ESGOTADAS

05

© Sérgio Rolando

Programa de ativação das estações do Museu da Cidade do Porto com programas operativos, oficinas, visitas e outras atividades, ao longo do dia, envolvendo toda a vizinhança de cada estação. O Dia do Vizinho é um programa de domingo gratuito, para vos dar a conhecer as atividades que desenvolvemos nos vários espaços que compõem o Museu da Cidade do Porto.

Ver mais

SET

Dia do Vizinho #3 Extensão do Douro / Casa do Infante

04

© Sérgio Rolando

Programa de ativação das estações do MdC com programas operativos, oficinas, visitas e outras atividades, ao longo do dia, envolvendo toda a vizinhança de cada estação. O Dia do Vizinho é um programa de domingo gratuito, para vos dar a conhecer as atividades que desenvolvemos nos vários espaços que compõem o Museu da Cidade.

Ver mais

JUN

Dia do Vizinho #2 Extensão do Romantismo

05

© Sérgio Rolando

Programa de ativação das estações do MdC com programas operativos, oficinas, visitas e outras atividades, ao longo do dia, envolvendo toda a vizinhança de cada estação. O Dia do Vizinho é um programa de domingo gratuito, para vos dar a conhecer as atividades que desenvolvemos nos vários espaços que compõem o Museu da Cidade.

Ver mais

MAR

Dia do Vizinho #1 Reservatório

06

© Sérgio Rolando

Programa de ativação das estações do MdC com programas operativos, oficinas, visitas e outras atividades, ao longo do dia, envolvendo toda a vizinhança de cada estação. O Dia do Vizinho é um programa de domingo gratuito, para vos dar a conhecer as atividades que desenvolvemos nos vários espaços que compõem o Museu da Cidade.

Ver mais