Voltar

CICLO DE MÚSICA «JARDINS E O ROMÂNTICO» — TRIO DOURO

MUSEU ROMÂNTICO

O Museu do Porto e a Orquestra Filarmónica Portuguesa apresentam um ciclo de música de câmara dedicado aos jardins, enquanto lugares privilegiados de inspiração e fruição de paisagens sonoras. Com uma programação vibrante, sob a direção do maestro Osvaldo Ferreira, o ciclo desdobra-se em cinco recitais que decorrem no Museu Romântico, nos sábados de 8 a 29 de junho, e no Palacete Visconde de Balsemão, no dia 6 de julho, e ainda um muito aguardado concerto sinfónico no domingo dia 21 de julho, no renovado terreiro do Museu Romântico.

 

Ao terceiro dia desta viagem sonora, o Trio de Piano, composto por Carolina Frederico, Jed Barahal e Vasco Dantas, apresentam duas obras-primas para esta formação: o Trio Op. 71, também conhecido como Ghost, obra transformadora que elevou o género a novos patamares durante o período intermediário «heróico» de Beethoven, e o Trio em Ré Menor, Op. 120 de Fauré, uma peça serena que reflete os desenvolvimentos tardios da carreira do compositor francês.

 

 

PROGRAMA

 

Intérpretes:

CAROLINA FREDERICO (violino)

JED BARAHAL (violoncelo)

VASCO DANTAS (piano)

 

Autores e obras musicais:

LUDWIG VAN BEETHOVEN (1770—1827)
Piano Trio em Ré Maior, Op. 71, Ghost

GABRIEL FAURÉ (1845—1924)
Piano Trio em Ré menor, Op. 120

 

 

Carolina Frederico é violinista da Orquestra Filarmónica Portuguesa desde 2017. Integrou a Orquestra do Teatro Nacional Cláudio Santoro em Brasília, Distrito Federal, por mais de 15 anos como concertino e solista. Também foi solista de outras orquestras como a Filarmónica de Brasília, Sociedade de Concertos de Brasília e a Orquestra Sinfónica da OSPA em Porto Alegre. Começou os seus estudos de violino com os professores Fredi Gerling e Marcello Guerchfeld da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, no Brasil. Aos 18 anos, ingressou na Eastman School of Music, NY, sob a tutela da professora Lynn Blakeslee. Concluiu o Mestrado em performance do violino na University of Alberta, Canadá, sob a orientação do Professor Martin Riseley. Também foi professora de violino na Universidade de Grande Prairie no Canadá.

 

De origem norte-americana e residente em Portugal há mais de 30 anos, Jed Barahal tem desenvolvido a sua carreira em três continentes como solista, em recital, e em música de câmara. Mestre em música pela Yale University e licenciado pela Juilliard School de Nova Iorque, estudou com Harvey Shapiro, Lorne Munroe e Aldo Parisot, e frequentou masterclasses com Pierre Fournier, Paul Tortelier e Janos Starker. Possui um extenso repertório que abrange todos os estilos. Foi 1.º violoncelo solo da Orquestra Sinfónica do Estado de São Paulo (Brasil), Orquestra do Capitólio de Toulouse (França), da Régie Sinfonia do Porto, entre outras. Entre as suas gravações de CDs figuram obras de George Crumb, Carlos Azevedo, Jorge Peixinho, Astor Piazzolla e António Pinho Vargas. É professor adjunto da Escola Superior de Música, Artes e Espetáculo do Instituto Politécnico do Porto desde 1993, e ministra com frequência seminários de violoncelo em várias escolas de música no país e no estrangeiro.

 

Vasco Dantas, pianista português nascido no Porto em 1992, obteve a Licenciatura em Música com 1st Class Distinction no London Royal College of Music, estudando piano com Dmitri Alexeev e Niel Immelman, e regendo com Peter Stark e Natalia Luis-Bassa. Concluiu o Mestrado em Performance com nota máxima sob a orientação de Heribert Koch, na Universidade de Münster, onde é aceite para o Doutoramento Konzertexamen. Ganhou mais de 50 prémios em competições internacionais na Alemanha, Grécia, Itália, Malta, Marrocos, Portugal, Espanha e Reino Unido. Os prémios recentes incluem: Prémio Internacional GianClaudio (Roma), «Grand Prix» no Concurso Internacional de Piano de Valletta (Malta), «Prix Spécial» no Concours International de Piano SAR La Princesse Lalla Meryem (Morroco), 1.º prémio no Concurso Internacional do Porto Santa Cecília, 1.º Prémio no Concurso de Música Estoril Lisboa, 3.º Prémio no Concurso Münster Steinway & Sons, «Medalha de Mérito de Ouro» da cidade de Matosinhos (Portugal) e o Prémio «Fundação Eng. António de Almeida».

 

Osvaldo Ferreira é o diretor artístico da Orquestra Filarmónica Portuguesa. Em Portugal, foi diretor artístico da Orquestra do Algarve e do Festival Internacional de Música do Algarve. Gravou vários CDs com obras de autores portugueses para a editora Numérica e um CD duplo com sinfonias de Mozart. Com a Orquestra do Algarve, apresentou-se em Viena, Bruxelas, Lisboa, Sevilha, Porto, Curitiba e Londres. Foi o diretor musical da Oficina de Música de Curitiba. No seu percurso destaca-se ainda o seu trabalho à frente de importantes orquestras: Filarmónica de São Petersburgo, Sinfónica de Roma, Orquestra Gulbenkian, Orquestra de Praga, Filarmónica de Lodz, Filarmónica da Silésia, Sinfónica de Nuremberga, Filarmónica da Rádio Renana, Orquestra Nacional do Porto, Orquestra do Teatro Nacional de São Carlos, Orquestra do Festival de Música de Aspen (E.U.A.) e Orquestra Nacional da Venezuela, entre outras.

 

 

ENTRADA

Bilhetes disponíveis na bilheteira online ou espaços do Museu do Porto. Limitados à lotação do espaço: 60 participantes

ENDEREÇO

Rua de Entre-Quintas, 220 4050-240 Porto
GPS: 41.147524, -8.627930
Localização

AUTOCARRO

1M, 200, 201, 207, 208, 302, 303, 501, 507, 601, ZM, 12M, 13M
Circular Massarelos – Carmo

ESTACIONAMENTO

Palácio de Cristal

JARDINS

QUINTA DA MACIEIRINHA