Voltar

CONCERTO SINFÓNICO — GUSTAV MAHLER

IGREJA DE NOSSA SENHORA DA LAPA

© Rui Oliveira

Ouvir a Sinfonia n.º 2 de Mahler (1860—1911), à qual o autor daria o título de «Ressurreição», constitui motivo de intensa meditação. A ideia nasceu quando Gustav Mahler ainda estava a escrever a primeira sinfonia, sentindo necessidade de dar uma identidade própria aos temas que agora se encontram numa das obras-primas da música de sempre. Pode dizer-se, aliás, que esta segunda sinfonia acompanha o caminho espiritual do seu autor: no início verifica-se angústia e sofrimento que vão evoluindo, gradualmente, numa espiritualidade libertadora. Este dilema desenvolve-se numa procura determinante.
O final da sinfonia traz-nos a recapitulação do caminho percorrido: o ambiente fúnebre do começo, o tema «Dies Irae» que corresponde à consciência da pequenez e da imperfeição, sucedendo-se a marcha orquestral que ilustra a procissão para o «Juízo Final», até que soa a última trombeta do Apocalipse. E, assim, dá-se início à cantata sinfónica final com o poema «Ressurreição» de Friedrich G. Klopstock (1724-1803), num extraordinário crescendo que representa a afirmação do autêntico júbilo, assumido como força vital pelo compositor, num momento crucial da sua vida atribulada, em nome de uma forte e renovadora esperança.

 

Intérpretes
BÁRBARA BARRADAS (soprano)
CÁTIA MORESO (mezzo-soprano)
CORO POLIFÓNICO DA LAPA
CORO SINFÓNICO LISBOA CANTAT
ORQUESTRA FILARMÓNICA PORTUGUESA

 

Direção musical 
OSVALDO FERREIRA

 

Autor e obra musical
GUSTAV MAHLER
Sinfonia n.º 2, Ressurreição

 

Colaboração: Irmandade da Lapa

 

BILHETES

Entrada gratuita sujeita à lotação do espaço.

ENDEREÇO

Largo da Lapa, n.º 1
4050-069 Porto